Geopolítica

    Direito dE réplica do governo letão ENGLISH ESPAÑOL FRANÇAIS  ITALIANO    A Embaixatriz da Letónia em Itália, Solvita Aboltina, escreveu ao il manifesto a propósito de um artigo de Manlio Dinucci. Referimos…

Read More PT — DIREITO DE RÉPLICA DO GOVERNO LETÃO

Geopolítica

Geopolítica

Geopolítica

Geopolítica

Geopolítica

Geopolítica

A Arte da Guerra
A ESTRATÉGIA DA DEMONIZAÇÃO DA RÚSSIA
Manlio Dinucci
 
O contrato do governo assinado em Maio de 2018, pelo Movimento 5 Stelle e pela Lega, reitera que a Itália considera os Estados Unidos como o seu “aliado privilegiado”. Laço fortalecido pelo Primeiro Ministro Conte que, no encontro com o Presidente Trump em Julho, estabeleceu com os USA “uma cooperação estratégica, quase uma geminação, em virtude da qual a Itália torna-se a interlocutora privilegiada dos Estados Unidos para os principais desafios a enfrentar”. No entanto, simultaneamente, o novo governo comprometeu-se no contrato a “uma abertura à Rússia, para ser percebida não como uma ameaça, mas como um parceiro económico” e até mesmo como um “parceiro potencial para a NATO”. É como conciliar o diabo com a água benta.
 
 
De facto, é ignorada, tanto pelo governo como pela oposição, a estratégia USA de demonização da Rússia, destinada a criar a imagem do inimigo  ameaçador contra o qual nos devemos preparar para lutar. Esta estratégia foi apresentada numa audiência no Senado (21 de Agosto), por Wess Mitchell, Vice Secretário do Departamento de Estado para os Assuntos Europeus e Eurasiáticos: “Para enfrentar a ameaça proveniente da Rússia, a diplomacia USA deve ser apoiada por um poder militar que seja o melhor de todos  e totalmente integrado com os nossos aliados e com todos os nossos instrumentos de poder “.  parágrafo 4
 
Ao aumentar o orçamento militar, os Estados Unidos começaram a “recapitalizar o arsenal nuclear”, incluindo as novas bombas nucleares B61-12 que, em 2020, serão instaladas contra a Rússia, na Itália e noutros países europeus. Os Estados Unidos – especifica o Vice Secretário – gastaram em 2015, 11 mil milhões de dólares (que aumentarão para mais 16, em 2019) para a “Iniciativa Europeia de Dissuasão”, ou seja, reforçar a sua presença militar na Europa contra a Rússia.
 
Dentro da NATO, eles conseguiram aumentar em mais de 40 biliões de dólares, a despesa militar dos aliados europeus e estabelecer dois novos comandos, dos quais o Comando Atlântico contra a “ameaça dos submarinos russos”, localizado nos USA.
 
Na Europa, os Estados Unidos apoiam, em particular, “os Estados na linha de frente”, como a Polónia e os Países Bálticos, e eliminaram as restrições para fornecer armas à Geórgia e à Ucrânia (ou seja, aos Estados que, com agressão à Ossétia do Sul e o putsch da Praça Maidan, desencadearam a escalada USA/NATO contra a Rússia). Parágrafo 8.
 
O expoente do Departamento de Estado acusa a Rússia não só de agressão militar, mas de concretizar nos Estados Unidos e nos Estados europeus “campanhas psicológicas de massa contra a população para desestabilizar a sociedade e o governo”. Para realizar essas operações, que fazem parte do “esforço contínuo do sistema putiniano para o domínio internacional”, o Kremlin usa “o arsenal de políticas subversivas usado no passado pelos bolcheviques e pelo estado soviético, actualizado para a era digital”. Parágrafo 12. Wess Mitchell acusa a Rússia daquilo em que os USA são mestres: eles têm 17 agências federais de espionagem e subversão, entre as quais, o Departamento de Estado. O mesmo Departamento que acaba de criar uma nova figura: “o Conselheiro Senior para as Atividades Malignas da Rússia”, encarregado de desenvolver estratégias inter-regionais. [em baixo, no # 14 –  the Senior Advisor for Russian Malign Activities and Trends (or, SARMAT)]
 
Nesta base todas as 49 missões diplomáticas dos USA na Europa e na Eurásia devem concretizar, nos seus respectivos países, planos de acção específicos contra a influência russa. Parágrafo 13.
 
Não sabemos qual é o plano de acção da Embaixada dos EUA na Itália. No entanto, sabê-lo-á o Primeiro Ministro Conte, na qualidade de “interlocutor privilegiado dos Estados Unidos”. Comunique-o ao Parlamento e ao país, antes que as “actividades” da Rússia desestabilizem a Itália.
 
 
il manifesto, 25 de Setembro de 2018
 
Para termo de comparação, a seguir está o documento original, publicado no site estatal  
(documento original neste momento em tradução para a língua portuguesa)
 
 
 
 
NO WAR NO NATO

Geopolítica