Manlio Dinucci — A Arte da Guerra: Em Ghedi, 30 caça-bombardeiros F-35 com 60 bombas nucleares

 

 

 

O Aeroporto Militar de Ghedi (Brescia) está a preparar-se para ser uma das principais bases dos caça-bombardeiros  F-35.

O Ministério da Defesa publicou na Gazeta Oficial, o anúncio do projecto arquitectónico (2,5 milhões de euros) e a construção (60,7 milhões de euros) de novas infraestruturas para o F-35: um edifício de três andares com salas de operação e simuladores de vôo; o hangar para a manutenção dos caças, 3460 metros quadrados com uma grua de 5 toneladas, além de mais estruturas de 2800 m2; um armazém de 1100 m2 com um edifício de dois andares para escritórios e uma central de energia com cabine eléctrica e tanques contra incêndios; 15 hangares de 440 m2, para os quais serão levados os caça-bombardeiros prontos para levantar voo.

Visto que cada hangar pequeno pode acomodar dois aparelhos, a capacidade total será de 30 caça-bombardeiros F-35.

Todos os edifícios estarão concentrados numa única área fechada e sob vídeo vigilância, separada do resto do aeroporto: uma base dentro dessa base, cujo acesso será proibido ao pessoal militar do aeroporto, excepto à equipa dos pilotos dos novos caças.

O motivo é claro: juntamente com a decolagem e aterrizagem convencional do F-35A – da qual a Itália compra 60 unidades juntamente com 30 caças F-35B, com decolagem curta e aterrizagem vertical – as novas bombas nucleares norte-americanas B61-12 serão introduzidas em Ghedi.

Tal como as bombas B-61, estas também podem ser lançadas dos Tornados PA-200, do 6º Stormo, mas, para guiá-las  com precisão sobre o objectivo e aproveitar ao máximo as suas capacidades anti-bunker, os caça-bombardeiros F-35A são dotados de sistemas digitais especiais .

Dado que cada caça-bombardeiro pode transportar 2 bombas nucleares no tanque interno, podem ser implantadas em Ghedi 60 bombas B61-12, o triplo das actuais B-61.

Assim como as precedentes, as bombas B61-12 serão controladas por uma unidade especial americana (o 704º Esquadrão de Apoio às Munições da Força Aérea dos EUA), «Responsável pela recepção, armazenamento e manutenção das armas da reserva de guerra dos EUA, destinadas ao 6º Stormo da Força Aérea Italiana” .

A mesma unidade da Força Aérea dos EUA tem a tarefa de “apoiar directamente a missão de ataque” do 6º Stormo. Os pilotos italianos já foram treinados, no uso dos caça-bombardeiros F-35 para missões de mísseis nucleares, nas bases aéreas de Eglin, na Florida e Luke, no Arizona.

Os caças do mesmo tipo, armados ou que possam ser armados com  bombas nucleares B61-12, serão colocados na base de Amendola (Foggia), onde há um ano chegou o primeiro F-35, e noutras bases. Além destes, haverá os F-35 da Força Aérea dos EUA, distribuídos em Aviano com as bombas B61-12.

Neste contexto, pedir à Itália que declare “a falta de disponibilidade para adquirir os componentes necessários para tornar o F-35 apto para o transporte de armas nucleares” como fez o Movimento 5 Stelle no Parlamento, equivale a exigir que o exército esteja equipado com tanques sem canhões.

O novo caça F-35 e a nova bomba nuclear B61-12 são um sistema de armas integrado.

A participação no programa F-35 reforça a parceria da Itália com os Estados Unidos. A indústria de guerra italiana, liderada por Leonardo, que gere a fábrica de montagem F-35 em Cameri (Novara), está ainda mais integrada no gigantesco complexo militar industrial dos EUA liderado pela Lockheed Martin, a maior indústria militar do mundo (com 16000 fornecedores nos EUA e 1500 noutros 65 países), a empresa construtora do F-35.

A incorporação no nosso território dos F-35 armados com bombas nucleares B61-12 subordina ainda mais a Itália à cadeia de comando do Pentágono, privando o Parlamento de qualquer poder de decisão genuíno.

Il manifesto, 28 de Novembro de 2017



Tradutora Maria Luísa de Vasconcellos