PT — Há 75 anos… Uma História de Guerra dos EUA: Dresden, Alemanha por Larry Romanoff

Há 75 anos…

Uma História de Guerra dos EUA: Dresden, Alemanha

por Larry Romanoff

Global Research,1 de Novembro, 2019

Região: Europa, Russia and FSUUSA

Tema: História

Dresden Germany bombing World War II

Pilhas de cadáveres em frente a edifícios destruídos em Dresden, após os ataques aéreos, em 13 e 14 de Fevereiro de 1945.


Os ocidentais sabem que os americanos bombardearam a cidade de Dresden, na Alemanha, no final da Segunda Guerra Mundial, mas a maior parte da verdade foi suprimida logo que aconteceu. Dresden era o centro cultural da Alemanha Oriental, uma cidade cheia de museus e edifícios históricos e os historiadores concordavam, por unanimidade, que Dresden não tinha valor militar. A pouca indústria que tinha, produzia só cigarros e porcelana.

Nem Churchill nem Roosevelt estavam interessados em terminar a guerra ou em atacar instalações militares que ainda existiam a 100 km à volta de Dresden. Naquela época, o exército russo estava a avançar, e há alguma verdade na versão de que os americanos queriam mostrar aos russos o impressionante poder de uma força militar verdadeiramente avançada, para impedir que a Rússia alimentasse ambições em relação à Europa. Parece que o Primeiro Ministro britânico, Winston Churchill, e o Presidente dos EUA, Roosevelt, queriam o que chamavam um “trunfo”, um “trovão de aniquilação anglo-americano” devastador, para “impressionar” Estaline. Mas poderia ter sido efectuado de muitas outras maneiras e lugares. Dresden não foi seleccionada por este motivo. Havia outras duas grandes motivações que serão visíveis a seguir.

O bombardeio de Dresden é um dos muitos acontecimentos históricos que foram fortemente alterados pelos vencedores, com alegações sobre o número de vítimas dos chamados historiadores, variando entre 25.000 ou 30.000, quando a contagem provável era de, pelo menos, 30 vezes esse número. A maioria das versões remodeladas desse holocausto tendem, praticamente, a ignorar, ou a subestimar deliberadamente, o vasto fluxo de refugiados que vinha a fluir para Dresden há semanas; as estimativas mais precisas que eu vi, variam entre 500.000 e este número tem de ser acrescentado à população local. Churchill e Roosevelt estavam plenamente conscientes dessa horda imensa e indefesa e, na sua procura pelo “trovão do trunfo”, foram citados como estando activamente à procura de “sugestões sobre como incinerar 600.000 refugiados”. A Internet está muito saneada sobre este assunto.

Um ponto importante que os historiadores escolheram ignorar foi que os americanos e os britânicos bombardearam não só Dresden, mas centenas de pequenas cidades ao redor de Dresden, muitas das quais ficaram tão destruídas que nunca foram reconstruidas. O motivo era o genocídio, uma pequena parte da intenção geral em destruir totalmente a Alemanha. Com a destruição total dessas cidades pequenas, a população estava a ser conduzida – pastoreada como animais – para as cidades maiores como Dresden, onde podia ser abatida através de um único ataque maciço. Os bombardeamentos iniciais cercaram áreas como Dresden, expulsando as pessoas das suas cidades menores, para centros maiores, onde podiam encontrar comida, abrigo e talvez assistência médica. Muitas vezes, os Aliados bombardeavam estradas e caminhos de ferro em volta dessas cidades circunvizinhas, para impedir uma fuga dos refugiados nessas direcções, conduzindo-os implacavelmente aos matadouros. O plano era exterminar o maior número possível de alemães. Na data do bombardeio, a cidade estava cheia de centenas de milhares de refugiados que fugiam de outras áreas que estavam a ser atacadas.

Outro assunto que os historiadores se recusam a enfrentar é que Dresden foi seleccionada não especificamente para extermínio, mas devido ao seu valor cultural, para colocar uma estaca no coração da herança cultural alemã e deixar uma ferida que nunca se poderia curar, devido à destruição permanente de partes insubstituíveis da alma alemã, para abrir uma ferida na psique alemã que nunca se curaria.

An RAF bomber over Hamburg, 1943

Em ondas sucessivas de bombardeios com bombas incendiárias, os americanos transformaram a cidade inteira numa enorme tempestade de fogo, matando talvez um milhão de civis. Com o elevado número de refugiados, os verdadeiros totais nunca serão conhecidos, mas foi um acontecimento único e um dos piores massacres de todos os tempos. Como, mais tarde, o escritor Kurt Vonnegut escreveu: 

 “Vocês queimaram tudo, transformaram a cidade numa única coluna de chamas. Morreram lá mais pessoas na tempestade de fogo, naquela grande chama, do que morreram em Hiroshima e Nagasaki juntas”.

Naquela noite de 1945, foi “uma orgia de genocídio e barbárie contra uma cidade alemã indefesa, um dos maiores centros culturais do norte da Europa”. Mais de 700.000 bombas de fósforo foram lançadas sobre 1.2 milhões de pessoas. Uma bomba para cada 2 pessoas. A temperatura no centro da cidade atingiu 1800 ° C, derretendo as superfícies das ruas e incinerando, instantaneamente, mais de 500.000 mulheres, crianças e idosos.

Dresden Germany bombing World War II

Bombardeiros aliados enormes atacaram Dresden repetidamente e, após completar a sua terceira onda, os EUA enviaram caças P-51 Mustang que atingiram tudo que se movia. Eles voaram ao longo do rio Elba, onde as margens estavam carregadas de refugiados que ainda chegavam e mataram quase todos eles. Atacaram colunas de ambulâncias e veículos de resgate que tentavam evacuar os sobreviventes, atacaram hospitais e metralharam os pacientes indefesos. Metralharam todos os animais do Jardim Zoológico de Dresden. Realmente, Dresden foi uma orgia de morte e destruição, mas era mais. Foi a celebração do mal. Não fazia parte de uma guerra; estavam a matar pelo prazer de matar e pela exultação que esse prazer lhes causava. Após a guerra, Churchill foi condecorado pelo seu êxito, enquanto os americanos comemoravam a sua supremacia na pacificação civil, e ainda outros, celebravam outro capítulo da destruição da Alemanha.

*

Larry Romanoff  é colaborador frequente do site Global Resarch.

A fonte original deste artigo é Global Resarch.


CONVITE À CONFERÊNCIA EM 25 DE ABRIL 

Resultado de imagem para pictures of LET'S BREAK FREE FROM WAR INTERNATIONAL CONFERENCE -- APRIL 25, 2020

http://www.natoexit.it/en/home-en/ — ENGLISH

http://www.natoexit.it/ — ITALIANO

DECLARAÇÃO DE FLORENÇA

Para uma frente internacional NATO EXIT, 

em todos os países europeus da NATO

DANSK DEUTSCH ENGLISH ESPAÑOL  FRANÇAIS ITALIANO  NEDERLANDS

PORTUGUÊS ROMÎNA SLOVENSKÝ SVENSKA TÜRKÇE РУССКИЙ

Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos 

Email: luisavasconcellos2012@gmail.com

Webpage: NO WAR NO NATO