PT — Manlio Dinucci — A Arte da Guerra — O que Faz a Itália a Favor do Desarmamento Nuclear?

Hiroshima, Mattarella: "L'Italia sostiene con forza il disarmo nu

A Arte da Guerra

O que Faz a Itália a Favor do Desarmamento Nuclear?

Manlio Dinucci

FRANÇAIS  ITALIANO  PORTUGUÊS

No 75º aniversário do bombardeamento atómico de Hiroshima e Nagasaki, o Presidente da República Sergio Mattarella reiterou que “a Itália apoia fortemente o objectivo de um mundo livre de armas nucleares”.  Foi ecoado pelo Presidente da Comissão de Defesa da Câmara, Gianluca Rizzo (M5S): “Faço minhas as palavras do Presidente da República, a favor de uma política que aponta para um mundo livre de armas nucleares”. Compromisso institucional máximo, portanto, mas em que direcção?

Façamos falar os factos:

Ø  A Itália ratificou o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), em 1975, que afirma: “Cada um dos estados militarmente não nucleares, que faça parte do Tratado, compromete-se a não receber armas nucleares de ninguém, nem o controlo sobre tais armas, directa ou indirectamente “.

Ø  Ao violar o TNP, a Itália concedeu as suas próprias bases para a instalação de armas nucleares dos EUA: actualmente bombas B61, cujo número é estimado em algumas dezenas, mas não é verificável. Estão instaladas nas bases de Aviano, juntamente com os caças F-16C/D dos EUA, e em Ghedi-Torre, onde os Tornado PA-200 da Força Aérea Italiana estâo prontos para um ataque nuclear sob comando USA.

Ø  A Itália – confirma a NATO – faz parte dos países que “fornecem à Aliança aviões equipados para transportar bombas nucleares, sobre os quais os Estados Unidos mantêm controlo absoluto, e pessoal treinado para o efeito”.

A B61 será substituída, em breve, pela B61-12: uma nova bomba nuclear, com potência selecionável no momento do lançamento, que se dirige com precisão para o alvo e tem a capacidade de penetrar no subsolo para destruir os ‘bunkers’ dos centros de comando.

O programa do Pentágono prevê a construção de 500 bombas nucleares B61-12, com uma despesa de 10 biliões de dólares. O programa está em fase final: nos polígonos do Nevada estão em curso os testes de lançamento da nova bomba (sem ogiva nuclear). Entre os aviões certificados para o seu uso estão o Tornado PA-200 e o novo F-35A, fornecidos à Força Aérea Italiana.

Não se sabe quantas B61-12 serão instaladas na Itália e noutros países europeus. Poderão ser mais do que as bombas B-61 anteriores e também ser instaladas noutras bases. A de Ghedi, reestruturada, pode acolher até 30 caças F-35A com 60 bombas B61-12.

Às novas bombas juntam-se as armas nucleares da Sexta Frota estacionada em Itália, cujo tipo e número são secretos. Além de que, com o rompimento do Tratado INF, os Estados Unidos estão a desenvolver mísseis nucleares de alcance intermédio com base em terra, que, como os Euromísseis dos anos 80, também poderão ser instalados em bases italianas.

A Itália, oficialmente um Estado não nuclear, desempenha assim a função cada vez mais perigosa, de base avançada da estratégia nuclear dos USA/NATO contra a Rússia e contra outros países.

Como membro do Conselho do Atlântico Norte, a Itália rejeitou em 2017, o Tratado ONU sobre a abolição das armasnucleares. No mesmo ano, mais de 240 parlamentares italianos – principalmente do Partido Democrata e do M5S, os actuais partidos do governo – comprometeram-se, ao assinar o Apelo ICAN, a promover a adesão da Itália ao Tratado ONU.

Na primeira fila, o actual Presidente da Comissão de Defesa, Gianluca Rizzo, e o actual Ministro dos Negócios Estrangeiros, Luigi Di Maio. Três anos depois, como os factos comprovam, o seu compromisso solene revela-se um expediente demagógico para recolher votos.

Para concretizar, em Itália, “uma política que aponta para um mundo livre de armas nucleares”, como declara Gianluca Rizzo, não há senão um modo: libertar a Itália das armas nucleares, conforme prescreve o TNP, e aderir ao Tratado ONU, executando o que eles estabelecem: “Cada Estado Parte que possua armas nucleares no seu território, pertencentes ou controladas por outro Estado, deve assegurar a rápida remoção de tais armas”. Portanto, os signatários do Compromisso ICAN, exigem que os Estados Unidos removam todas as armas nucleares da Itália.

Se no Parlamento há alguém que queira um mundo livre de armas nucleares,

demonstre-o não por palavras, mas mas com factos.

Manlio Dinucci

il manifesto, 11 de Agosto de 2020


 Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos

Email: luisavasconcellos2012@gmail.com

Wepage: NO WAR NO NATO