The Saker: Para EUA, fim das “guerras a preço de ocasião

Página original

4/8/2017, The Saker, Unz Review e Vineyard of the Saker

Com o golpe dos neoconservadores contra Trump agora já completado (pelo menos no objetivo principal, i.e., com Trump já neutralizado, o objetivo subsidiário, i.e., tirar o presidente da presidência, pode ser adiado para algum momento, não se sabe quando, no futuro), o mundo tem de lidar, mais uma vez, com situação muito perigosa: o Império Anglo-sionista está em rápida decadência, mas os neoconservadores voltaram ao poder. E farão de tudo, qualquer coisa que esteja ao alcance deles, para deter e reverter aquela decadência. 

É também dolorosamente óbvio, se se observa a retórica dos neoconservadores, além de suas ações passadas, que a única “solução” que eles anteveem para se safar é iniciar algum tipo de guerra. 

Assim sendo, a questão mais premente passa a ser: “quem o Império agredirá dessa vez?” Será a República Popular Democrática da Coreia (“Coreia do Norte”)? Será a Síria? O Irã ou a Venezuela? Atacarão na Ucrânia, talvez? Ou os neoconservadores procurarão guerra com Rússia ou China?

Claro que, se assumimos que os neoconservadores são completamente loucos, nesse caso tudo é possível, desde os EUA invadirem o Lesotho, até atacarem simultaneamente com armas termonucleares a Rússia e também a China. Absolutamente não deixo de considerar a insanidade e a depravação dos neoconservadores, mas não vejo sentido algum em analisar racionalmente o que é claramente irracional, no mínimo porque todas as modernas teorias da contenção sempre pressupõem um “ator racional”, não um maluco em operação suicidária delirante. 

Para nossos objetivos contudo, assumiremos que resta algo que se assemelha a pensamento racional em Washington DC; e que, mesmo que os neoconservadores decidam lançar alguma operação completamente ensandecida, alguém que comande as alavancas nos níveis superiores de poder encontrará a coragem necessária para impedir que aconteça, como fez o AlmiranteFallon, com seu “não no meu horário de serviço!” (o qual provavelmente impediu que os EUA atacassem o Irã em 2007). Então, assumindo-se que ainda haja circulante um mínimo de racionalidade, onde se deve esperar que o Império ataque a seguir?

O cenário ideal

A essa altura todos nós sabemos exatamente o que o Império mais gosta de fazer: definir um país fraco para ser o alvo, subvertê-lo, acusá-lo de violar direitos humanos, agredi-lo com sanções econômicas, disparar agitações e tumultos de rua, intervir militarmente em “defesa” da “democracia”, da “liberdade” e da “autodeterminação” (ou algum outro desses incontáveis conceitos igualmente pios e sem significado). Mas até aí, é só a ‘receita política’. O que quero examinar é o que chamo de “American way of war“, ou seja, o modo como comandantes dos EUA gostam de combater.

Durante a Guerra Fria, grande parte do planejamento, das providências para suprir as forças, da doutrina e do treinamento focava-se em combater grande guerra convencional contra a União Soviética; e era claramente definido que essa guerra convencional podia escalar e converter-se em guerra nuclear. 

Deixando de lado por um momento o aspecto nuclear (que não é relevante para nossa discussão), eu caracterizaria como “pesada” a dimensão convencional desse tipo de guerra: centrada em grandes formações (divisões, brigadas), envolvendo muitos blindados e artilharia, esse tipo de guerra envolveria gigantescos esforços logísticos de ambos os lados e isso, por sua vez, envolveria ataques profundos em forças de escalão secundário, obrigava a fazer reserva de suprimentos, a ter eixos estratégicos de comunicações (estradas, ferrovias, pontes, etc.) e uma defesa em profundidade em setores chaves. 

O campo de batalha sempre seria imenso, centenas de quilômetros para os dois lados da (ing.) FEBA (Forward Edge of Battle Area), o chamado “front” ou “linha de frente” do combate. Em todos os níveis, tático, operacional e estratégico, as defesas estariam preparadas em dois, possivelmente três escalões. 

Para lhes dar uma ideia das distâncias envolvidas, o segundo escalão estratégico dos soviéticos na Europa estava tão atrás, que chegava à Ucrânia! (Por isso, já que tocamos no assunto, a Ucrânia herdou depósitos gigantescos de munição da União Soviética; e por isso também jamais houve escassez de armas de nenhum dos lados para fazer a guerra civil ucraniana). Com o colapso do Império da União Soviética, toda essa ameaça desapareceu, bem, se não do dia para a noite, quase do dia para a noite. Claro, a Guerra do Golfo garantiu às forças armadas dos EUA e OTAN uma última, mas grande “festa de despedida” (contra um inimigo absolutamente sem chance de se impor), mas logo depois se tornou bem claro para os estrategistas dos EUA que a “guerra pesada” estava acabada e que brigadas blindadas podem já não ser a mais útil ferramenta de guerra no arsenal dos EUA.

Foi quando os estrategistas dos EUA, principalmente os das Forças de Operações Especiais, desenvolveram o que costumo chamar de “guerras a preço de ocasião”. Funciona mais ou menos do seguinte modo: primeiro, acerte com a CIA o financiamento, arme de dê treinamento a alguns insurgentes locais (se preciso, traga pessoal do exterior); em seguida infiltre Forças Especiais dos EUA e misture-os àqueles insurgentes locais e com FACs[1] (soldados especialmente treinados para dirigir o apoio aéreo, aeronaves e helicópteros, para atacar forças inimigas que estejam em contato com forças dos EUA e “amigos”); por fim, aloque na em torno da zona de combate (porta-aviões, em países vizinhos ou até aeronaves locais confiscadas) para apoiar dia e noite as operações de combate. A noção chave é simples: garantir aos insurgentes amigos vantagem muito ampla no poder de fogo. 

Todos vocês viram no YouTube: forças dos EUA e da “coalizão” avançam até entrar em área de fogo e, a menos que se imponham rapidamente, chamam um ataque aéreo que resulta num enorme BOOM!!! seguido por confraternização entre norte-americanos e amigos, e desaparecimento total dos atacantes. Repita a mesma receita várias vezes, e você consegue vitória fácil e rápida sobre inimigo completamente desarmado. Essa abordagem básica pode ser aprimorada com vários “suplementos” como fornecer melhor equipamento aos insurgentes (armas antitanque, equipamento para visão noturna, comunicações, etc.) e trazer para o local algumas forças dos EUA ou aliadas, inclusive mercenários, para dar conta dos alvos realmente fortes.

Embora muitos nas forças armadas dos EUA permanecessem profundamente céticos quanto a essa nova abordagem, o domínio dos tipos das Forças Especiais e o sucesso, pelo menos temporário, dessa “guerra a preço de ocasião” no Afeganistão tornaram a abordagem imensamente popular entre políticos e propagandistas norte-americanos. Melhor de tudo, esse tipo de guerra resultou em número muito reduzido de mortos norte-americanos e até lhes garantiu alto grau de “negabilidade plausível” no caso de algo sair errado. Claro, os espiões das agências de três letras também adoraram o novo tipo de guerra.

Mas bem poucos deram-se conta, no primeiro surto de euforia sobre a invencibilidade dos EUA, de que essa “guerra a preço de ocasião” assumia três pressupostos muito arriscados:

– Em primeiro lugar e sobretudo, toda aquela “invencibilidade” dependia completamente de haver inimigo profundamente desmoralizado que sente que, como na série Star Trek, seria fútil tentar resistir contra Borg (codinome, EUA), porque, ainda que as reais forças dos EUA alocadas para cada caso fossem limitadas em tamanho e capacidades, os EUA sem dúvida sempre enviariam mais e mais forças se necessário, até o total esmagamento da oposição.

– Em segundo lugar, esse tipo de guerra pressupõe que os EUA poderiam assegurar completa superioridade aérea sobre todo o campo de batalha. Os norte-americanos não gostam de prover apoio aéreo nos casos em que aeronaves e pilotos possam ser derrubados por força aérea ou mísseis inimigos.

– Em terceiro lugar, esse tipo de guerra exige que haja insurgentes locais que possam ser usados como “coturnos em solo” para realmente ocupar e controlar territórios. 

Veremos adiante que esses três pressupostos não são necessariamente confiáveis, porque nem sempre estão presentes ou, para dizer mais claramente, porque os anglo-sionistas estão em falta de países nos quais ainda se verifiquem os três pressupostos. Analisemos vários casos, um a um.

Hezbollah, Líbano 2006

OK, essa guerra não envolve oficialmente os EUA, é verdade, mas, sim, envolve Israel, o que é mais ou menos o mesmo, pelo menos para as nossas finalidades. Embora seja verdade que as táticas superiores do Hezbollah e a melhor preparação, também pelo Hezbollah, do campo de combate, e embora seja inegável que as armas russas antitanques deram ao Hezbollah a capacidade de atacar e destruir até os tanques israelenses mais avançados, tudo isso considerado, o desenvolvimento mais importante dessa guerra foi que, pela primeira vez no Oriente Médio, uma força árabe comparativamente fraco não mostrou qualquer temor ao enfrentar o suposto “invencível Tshahal“. O jornalista britânico Robert Fisk foi o primeiro a detectar essa imensa mudança e suas tremendas implicações: (itálicos meus)

Todos ouviram Sharon, antes de sofrer seu derrame massivo, Sharon usou essa frase no Knesset, você sabe: “Os palestinos têm de sentir dor”. Isso, durante uma das intifadas. A ideia é que se você continua a bater e bater e bater nos árabes eles se submeterão, eventualmente cairão de joelhos e darão a vocês o que você quiser. E nada pode ser mais autoenganador, porque já nem se aplica hoje. De modo geral aplicava-se há 30 anos, quando pela primeira vez cheguei ao Oriente Médio. Se os israelenses cruzavam a fronteira libanesa, os palestinos pulavam nos próprios carros e iam para Beirute, para ir ao cinema. Hoje, se os israelenses cruzarem a fronteira do Líbano, o Hezbollah pula nos próprios carros em Beirute e corre direto para o sul, para se unir à luta dos palestinos. Mas a coisa chave hoje é que os árabes já não têm medo. Alguns líderes têm medo, os Mubaraks do mundo, o presidente do Egito, o rei Abdullah II da Jordânia. Esses sim têm medo. Gaguejam e tremem nas suas mesquitas de ouro, porque foram apoiados por nós [o ocidente]. Mas o povo já não tem medo.

É diferença descomunal, e o que o Hezbollah (Partido de Deus) obteve, aquela “Vitória Divina”, em 2006, é hoje repetida na Síria, no Afeganistão, no Iêmen, Iraque e por toda parte. O medo da “única superpotência” é afinal passado. Foi substituído por um desejo ardente de cobrar as contas de uma lista infinita de agressões pelos anglo-sionistas e suas forças de ocupação.

O Hezbollah também comprovou outra coisa muito importante: a estratégia vitoriosa quando frente a inimigo mais forte não é tentar proteger-se contra os ataques daquele inimigo, mas negar-lhe qualquer alvo lucrativo. Dito em termos simples: melhor uma tenda de campanha, que um bunker. Ou, noutra versão, “se eles podem ver você, podem matar você”. A versão mais acadêmica pode ter o seguinte formato: “não conteste a superioridade do inimigo – torne-a irrelevante”.

Olhando em retrospectiva é bem óbvio que uma das armas mais formidáveis do arsenal anglo-sionista não era a bomba atômica ou o porta-aviões, mas uma máquina de propaganda que durante décadas, com muito sucesso, convenceu milhões de pessoas em todo o planeta de que os EUA seriam invencíveis: os EUA tinham as melhores armas, os soldados mais bem treinados, as táticas mais avançadas, etc. E afinal se vê que é absoluto nonsense – os militares norte-americanos no mundo real nada têm de parecido com essa contraimagem criada pela propaganda. Quando nos últimos tempos os EUA realmente venceram alguma guerra contra inimigo capaz de construir resistência capaz? No Pacífico, na 2ª-guerra mundial?

[Barra lateral: Escolho o exemplo do Hezbollah em 2006 não para ilustrar o colapso do paradigma “consagrado à rendição” [ing. “sacred into surrender”], mas para ilustrar o paradigma do “não conteste a superioridade do inimigo – torne-a irrelevante”, do qual o mais antigo e melhor exemplo pode ser o Kosovo em 1998-1999, quando uma imensa operação que envolveu todas as forças aéreas da OTAN durou 78 dias (a agressão de Israel contra o Líbano durou apenas 33 dias) e deu em exatamente nada. Uns poucos veículos anfíbios destruídos, uns poucos aviões velhos destruídos em solo, e um Corpo do Exército Sérvio que nada sofreu e que Milosevic ordenou que se retirasse por razões pessoais e políticas. Os sérvios foram os primeiros a demonstrar que essa ação de “negar alvo ao inimigo” é viável mesmo contra adversário que tenha capacidades avançadas de inteligência e reconhecimento]

Força-tarefa dos russos, Síria 2015

Como sempre disse e insisti, a operação russa na Síria não foi caso de “os russos estão chegando” ou “a guerra acabou”. A realidade é que os russos mandaram para lá uma forma muito pequena e que essa força menos derrotou o Daech e, muito mais, mudou o traço fundamental do contexto político da guerra. Dito em termos mais simples – o fato de a Rússia ter-se envolvido não apenas tornou muito mais difícil qualquer intervenção dos EUA: os russos também negaram aos norte-americanos a capacidade para usar contra o Sírio o seu modelão favorito de “guerra a preço de ocasião”.

Quando os russos pela primeira vez levaram para a Síria a sua força tarefa, não levaram nenhum tipo de capacidade que negasse aos norte-americanos o uso do espaço aéreo sírio. Mesmo depois de os turcos derrubarem o SU-24 russo, Moscou só alocou jatos de combate e defesas de capacidade superior para se autoproteger de ataque semelhante, dos turcos. Mesmo agora, enquanto escrevo, se a Força Aérea dos EUA ou a Marinha dos EUA decidir assumir total controle do espaço aéreo sírio, sem dúvida poderia fazê-lo simplesmente porque em termos puramente numéricos os russos ainda não têm suficientes defesas aéreas ou, ainda menos, aviação de combate, para negar o espaço aéreo sírio aos norte-americanos. 

Ah, sim, a verdade é que ataque desse tipo, dos EUA, custaria preço muito alto para os norte-americanos, seja militarmente seja politicamente. Mas ninguém realmente crê que o minúsculo contingente aéreo russo, de 33 aeronaves de combate (das quais só 19 podem realmente contestar o acesso ao espaço sírio: quatro SU-30, seis SU-34, nove Su-27). Supor que número desconhecido de baterias Pantsir S-300/S-400/S-1 podem realmente derrotar o poder aéreo combinado do Comando Central dos EUA e da OTAN é delírio no mais alto grau, ou simples sinal de que não há compreensão efetiva da guerra moderna.

O problema para os norte-americanos é formado por uma matriz de riscos dentre os quais, é claro, incluem-se as capacidades militares dos russos, mas também inclui os riscos políticos de estabelecer uma zona aérea de exclusão sobre a Síria. Não só esse tipo de movimento levaria a uma grande escalada na intervenção norte-americana já totalmente ilegal nessa guerra, mas também exigiria esforço sustentado para suprimir as defesas aéreas sírias (e potencialmente também as russas). Mas é algo que a Casa Branca não está querendo fazer agora, especialmente quando ainda não se pode antever o que esse tipo de operação tão arriscada poderia alcançar. Como resultado, os norte-americanos atacam aqui ou ali, como os israelenses, mas na verdade todos esses esforços são praticamente inúteis.

Ainda pior é o fato de que os russos agora estão virando a mesa contra os norte-americanos e entregando FACse apoio aéreo próximo às forças sírias, especialmente em áreas chaves. Os russos também alocaram controladores de artilharia e sistemas de artilharia pesada, incluindo lançadores múltiplos de foguetes e lança-chamas pesados, que, todo esse equipamento, dá vantagem, em poder de fogo, às forças do governo. Paradoxalmente, agora são os russos que lutam uma “guerra a preço de ocasião” – ao mesmo tempo em que negam essa possibilidade aos norte-americanos e aliados.

Terroristas do bem, codinome “Exército Sírio Livre”, Síria 2017

A principal fraqueza do Exército Sírio Livre, ESL, é que não existe na verdade, pelo menos não em campo. Ah, sim, há incontáveis exilados sírios do Exército Sírio Livre na Turquia e em outros pontos, e há também muitos tipos Daech/al-Qaeda que muito se esforçam para parecer que são o ESL aos olhos de gente como John McCain, e há uns poucos grupos armados disseminados aqui e ali na própria Síria, que muito quereriam ser “O Exército Sírio Livre”. Mas na realidade, o ESL sempre foi uma abstração, um conceito puramente político. 

Esse ESL virtual pode garantir várias coisas úteis aos norte-americanos: uma narrativa para a máquina de propaganda; pretexto ‘santificado’ para lhes enviar a CIA; uma mínima folha de parreira para esconder as vergonhas do Tio Sam na cama com al-Qaeda e Daesh; e um ideal político para tentar unificar o mundo contra Assad e o governo sírio. Mas o que esse ESL jamais pôde fornecer foram “coturnos em solo”. 

Todo mundo lá tinhas seus próprios coturnos em solo: Daesh e al-Qaeda sem dúvida, mas também os sírios, os iranianos e o Hezbollah e, claro, os turcos e os curdos. Mas, dado que os Takfiris eram oficialmente inimigos dos EUA, os norte-americanos ficavam limitados no objetivo e na natureza do apoio que sempre desejaram dar e deram àqueles wahhabistas malucos. Os sírios, os iranianos e o Hezbollah foram demonizados e, assim, tornou-se impossível trabalhar com eles. Restaram os turcos, que tinham relações horríveis com os EUA, sobretudo depois que os EUA apoiaram a tentativa de golpe contra Erdogan; e os curdos, que não davam sinais de muita disposição para lutar e morrer no fundo do Iraque, e cujos documentos eram observados por Ancara com alta dose de hostilidade. Com o avançar da guerra, afinal a dura realidade desabou sobre os norte-americanos: absolutamente não tinham “coturnos em solo” aos quais apoiar ou incorporar seus agentes de forças especiais.

A melhor ilustração dessa realidade é o mais recente debacle dos EUA na região de al-Tanf próxima da fronteira jordaniana. Os norte-americanos apoiados pelos jordanianos, invadiram silenciosamente aquela parte não habitada do deserto sírio, na esperança de cortar as linhas de comunicação entre sírios e iraquianos. Mas em vez disso foram os sírios que cortaram e descartaram os norte-americanos e chegaram antes à fronteira, o que tornou a presença dos EUA simplesmente inútil (detalhesaqui e aqui). Parece que os norte-americanos agora desistiram, no mínimo temporariamente, de al-Tanf, e as forças dos EUA serão retiradas e realocadas em algum outro ponto na Síria.

Quem será o próximo a ser atacado – Venezuela?

Rápida olhada para trás na história mostra que os norte-americanos sempre tiveram problemas com seus ‘aliados’ (i.e., fantoches) locais. Uns até que prestavam (Coreia do Sul), outros não (Contras), mas feitas as contas, cada vez que os EUA se servem de forças locais, eles se expõem a um risco inerente: os locais frequentemente têm agenda própria, algumas vezes muito diferente. E rapidamente se dão contra de que, se dependem dos EUA, os EUA também dependem deles. 

Acrescente-se a isso o fato bem conhecido de que os norte-americanos não são famosos exatamente por sua, digamos assim, “sensibilidade e expertise multicultural” (basta ver quantos norte-americanos falam o idioma local dos ‘aliados’ que eles ‘salvam’!). Assim se vê por que a inteligência dos EUA quase sempre só se dá conta desse problema quando já é muito, muito tarde para tentar qualquer conserto (e não importa quanta inteligência humana bem construída eles troquem por tecnologias toscas). A realidade é que os norte-americanos não têm, via de regra, qualquer noção aproveitável sobre o ambiente no qual operam. O fracasso dos EUA na Síria (ou na Líbia ou na Ucrânia, dentre outros fracassos) é excelente ilustração disso.

Agora que já identificamos algumas das fragilidades doutrinais e operacionais da abordagem “guerra a preço de ocasião” dos EUA, podemos usá-las para avaliar uma série de possíveis países alvos:

Pressuposto Inimigo desmoralizado Superioridade
no ar
Coturnos em solo
Coreia
do Norte
? Sim Não
Síria Não Não Não
Irã Não Sim Não
Venezuela ? Sim Sim?
Rússia Não Não Não
Ucrânia Não Não Sim
China Não Não Não

Notas: “Inimigo desmoralizado” e “superioridade aérea” são palpites meus, mais do que estimativa, posso estar errada; “coturnos em solo” faz referência a uma força indígena e com capacidades de combate já dentro do país (não a força estrangeira de intervenção) capaz de tomar e conservar a posse de território, não simples pequeno grupo insurgente ou alguma oposição política.

Se minhas estimativas estão corretas, nesse caso o único país candidato a sofrer intervenção norte-americana seria a Venezuela. 

Mas falta aqui o fator tempo: para que uma intervenção norte-americana seja bem-sucedida, exigiria uma estratégia realista de saída (os EUA já estão superdistendidos, e a última coisa de que o Império carece seria enredar-se em mais uma guerra invencível à moda Afeganistão). Além disso, embora tenha dado um “sim” tateante à oposição venezuelana, no quesito “capacidade para pôr coturnos em solo” (especialmente se receber apoio da Colômbia), não tenho muita certeza de que as forças pró-EUA na Venezuela estejam sequer perto de ter as capacidades de forças armadas regulares (as quais, suponho, se oporiam à invasão pelos EUA). 

Além disso, há a questão do terreno. Embora num cenário otimista possa ser fácil tomar Caracas, seria difícil e perigoso tentar operar no restante do país. 

Por fim, há a questão de se manter como poder: os norte-americanos gostam de vitórias rápidas; mas guerrilheiros latino-americanos já provaram muitas vezes que podem combater ao longo de décadas. Por todas essas razões, por mais que me pareça que os EUA são capazes de intervir na Venezuela e desgraçar o país até que fique irreconhecível, não acho que os EUA sejam capazes de impor ali, no poder, um novo regime, e de garantir que o novo regime controle o país.

Conclusão – Afeganistão 2001-2017

Afeganistão é frequentemente chamado de “cemitério de Impérios”. Não tenho lá muita certeza de que o Afeganistão algum dia venha a ser o cemitério do Império Anglo-sionista, mas, sim, acho que o Afeganistão será o cemitério da doutrina da “guerra a preço de ocasião”, o que é paradoxal, porque o Afeganistão foi onde essa doutrina foi aplicada pela primeira vez com sucesso que, inicialmente, pareceu enorme. 

Todos nos lembramos das Forças Especiais dos EUA, frequentemente a cavalo, coordenando os ataques dos B-52 contra forças do governo afegão em rápida retirada. 16 anos depois, a guerra do Afeganistão mudou dramaticamente, e as forças dos EUA constantemente combatem uma guerra na qual 90% das baixas são causadas por Dispositivos Explosivos Improvisados [ing.IEDs], onde todos os esforços para algum tipo de acordo político fracassaram miseravelmente e onde tanto a vitória quanto a retirada parecem igualmente impossíveis. O fato de agora a máquina de propaganda dos EUA ter acusado a Rússia de estar “armando os Talibã” é poderosa ilustração de o quanto os anglo-sionistas estão desesperados. Eventualmente, claro, os norte-americanos terão de sair, totalmente derrotados, mas por enquanto o máximo que já admitem é que “não estão vencendo” (sério!).

O dilema dos EUA é simples: a Guerra Fria acabou há muito tempo, e estamos já no Pós-Guerra Fria, e já faz tempo que as forças armadas dos EUA precisam passar por completa reforma, embora essa reforma já seja também politicamente impossível. Nesse momento, as forças armadas dos EUA são o resultado bizarro dos anos de Guerra Fria, de “guerra a preço de ocasião” e de intervenções militares fracassadas. 

Em teoria, os EUA devem começar por decidir-se por uma nova estratégia nacional de segurança; depois, desenvolver uma estratégia militar que apoie sua estratégia nacional de segurança, seguida do desenvolvimento de uma doutrina militar a qual, ela própria produzirá então um plano de modernização da força que afetará todos os aspectos da reforma militar, do treinamento ao planejamento dos deslocamentos da força. Os russos demoraram mais de uma década para fazer isso, incluindo vários falsos inícios e erros, e os EUA precisarão no mínimo do mesmo tempo, se não de mais tempo. No momento, até a decisão de embarcar em reforma de tão longo alcance parece estar a anos de distância.  Por enquanto, a palavra de ordem parece ser propaganda ‘de salão’ (“somos os maiores, ninguém nos supera!”) com negação obsessiva. 

Como também aconteceu na Rússia, terá de sobrevir algum embaraço catastrófico (como a primeira guerra russa na Chechênia), para forçar o establishment militar dos EIA a olhar cara a cara a realidade e realmente atuar sobre ela. Mas até que aconteça, a capacidade das forças dos EUA para impor seu domínio sobre outros países que não se rendam a ameaças e sanções só continuará a se degradar.

A Venezuela será o país da vez? Espero que não. De fato, acho que não será. Mas se for, será um inferno, muita coisa destruída e pouquíssimo obtido. Os anglo-sionistas vêm lutando acima de seu peso real há décadas, e o mundo já começa a perceber. Derrotar e impor-se contra Irã ou Coreia do Norte já está claramente fora das reais capacidades militares dos EUA. Quanto a atacar Rússia ou China – seria suicídio. Com o quê, só resta a Ucrânia. 

Suponho que os EUA possam enviar algumas armas para a junta em Kiev e organizar alguns campos de treinamento no oeste da Ucrânia. Mas nada além disso. E de qualquer modo nada aí fará qualquer real diferença (além de ofender ainda mais os russos, é claro).

A era das “guerras a preço de ocasião” já é passado e o mundo vai-se tornando lugar muito diferente do que foi. Os EUA terão de se adaptar à essa realidade, pelo menos se quiserem conservar algum grau de credibilidade, mas por enquanto não aparece ninguém em Washington DC – exceto Ron Paul – disposto a admiti-lo. Resultado disso, a era das grandes intervenções militares norte-americanas pode bem estar chegando ao fim, mesmo que sempre haja país do tamanho de Grenada ou do Panamá para ser “triunfalmente” destruído, sendo necessário. 

Essa nova realidade, é claro, imediatamente levanta a questão de com o quê/como o EUA-dólar será bancado no futuro (até agora, só foi bancado, realmente, pelo poder militar dos EUA). Mas esse já é outro assunto.*****

[1] Forward Air Controllers, “controladores avançados pelo ar”.