Então, quão sério é o romance neo-nazista da Ucrânia?

Cynthia Chung – 19 de maio de 2022

Na história da civilização, a política tem sido, na maioria das vezes, um assunto que pode ser reduzido à questão de “de que lado você está? ”

É certo que não é fácil discernir o que mais se aproxima da verdade no nevoeiro do “presente”. A retrospectiva é 20/20, dizem eles, embora isso também não seja inteiramente verdade, pois a interpretação da história é apenas mais um campo de batalha, embora em muito mais lento movimento.

Em um mundo de divisão crescente, onde nos dizem que só há preto ou branco, o melhor que nós, meros “civis”, podemos esperar é não sermos atingidos pelo fogo cruzado. Entretanto, isso está se tornando cada vez mais difícil de se evitar.

Não se trata mais de manter uma “opinião”, trata-se de manter uma “convicção”, não conquistada com seu próprio escrutínio e pesquisa pessoal, mas por sua “fé” em tal convicção e pelas autoridades que a moldam.

Cada vez mais, não importa realmente quais são os “fatos”, mas a questão de “de que lado você está?”

Se é a isso que a “realidade” foi reduzida por aquelas forças que controlam o Estado, então qualquer inimigo daquelas forças que controlam aquele Estado será um vilão, independentemente de suas ações, independentemente de sua ideologia; e qualquer aliado daquelas forças que controlam aquele Estado será um herói, independentemente de suas ações, independentemente de sua ideologia.

E assim, em nossa realidade moldada de hoje, o que faz um “Herói” ou um “Vilão” será determinado pela simples pergunta “de que lado você está?”

Se isto é preocupante para você, sugiro que façamos um pequeno exercício juntos. Atrevamo-nos a discernir os “fatos” por nós mesmos. Só então, deixaremos de ser meros líderes de torcida de uma equipe; só então, poderemos nos qualificar para perguntar com toda sinceridade, “de que lado estamos realmente?”

Os nazistas agora são os novos “Good Guys”?

Há um pouco de mensagens mistas que vêm ocorrendo, especialmente nas últimas semanas. Há um número significativo de nazistas na Ucrânia e estes são “maus” ou “bons” nazistas no contexto em que estão lutando contra os “invasores” russos?

Num suspiro ouvimos o contador, como pode haver nazistas na Ucrânia quando há um presidente judeu a dar os tiros? Em outro fôlego, ouvimos que o Facebook agora permite que os usuários elogiem o Batalhão neonazista Azov enquanto lutam contra os russos. Em mais um sopro, bem, seu complicado nacionalismo ucraniano deve ser considerado na vanguarda de qualquer debate, mesmo que se sobreponha à ideologia nazista.

Em 27 de fevereiro de 2022, a vice-primeira-ministra canadense Chrystia Freeland segurava um lenço com o slogan “Slava Ukraini”, que significa “Glória à Ucrânia”, com o slogan “Blood and Soil” (que colaboraram com os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial e massacraram milhares de judeus e poloneses).

Em seguida, ela publicou esta foto em sua conta do Twitter (substituindo-a horas depois por uma foto dela sem o lenço “Sangue e Solo”) e acusou seus detratores de “cheirar a desinformação russa“. Esta foto controversa da Freeland foi relatada pelo Correio Nacional do Canadá.

Segundo a assessora de imprensa da Freeland, este foi apenas mais um caso de “clássica difamação da desinformação KGB… acusando ucranianos e ucrano-canadianos de serem extremistas de extrema-direita ou fascistas ou nazistas”, o que é uma declaração confusa em vários níveis.

Não está claro como este é um caso de “desinformação russa”, já que o quadro é realmente autêntico, a Freeland não nega isto. E ela está de fato segurando um emblema de “Sangue e Solo”, que se originou com os nazistas, algo claro para que todos possam ver. Finalmente, é confuso por que o governo canadense parece desconhecer que a KGB não existe mais. Será que eles também têm a impressão de que a União Soviética ainda existe?

Não irrelevante em tudo isso é o fato de que o avô de Freeland foi o editor chefe de um jornal nazista durante a Segunda Guerra Mundial na Galiza e que ela está de fato ciente disso e, aparentemente, sem desculpas. Sempre que ela é questionada sobre isto, ela não nega nada, mas simplesmente culpa tal foco de investigação sobre a desinformação russa com a intenção de “desestabilizar as democracias ocidentais“. Isto é, não é uma questão de qual é o seu histórico ideológico, mas uma questão de “de que lado você está?”

Curiosamente, foi o jornal canadense “The Globe and Mail” que noticiou esta história, intitulada “Freeland sabia que seu avô era editor do jornal nazista“, portanto, não uma publicação russa da última vez que verifiquei. E em quem eles basearam tais informações? Nenhum outro senão o próprio tio da Freeland, John-Paul Himka, que agora é professor emérito na Universidade de Alberta.

De acordo com a Globe and Mail, a Freeland sabia há mais de duas décadas que seu avô Michael Chomiak, era o editor chefe de um jornal nazista que vilipendiou os judeus e apoiou a causa nazista.

Globo e Correio escreve:

“Krakivski Visti [Krakivski News] foi criado em 1940 pelo exército alemão e supervisionado pelo oficial de inteligência alemão Emil Gassert. Suas impressoras e escritórios foram confiscados pelos alemães de uma editora judaica, que mais tarde foi assassinada no campo de concentração de Belzec.

O artigo intitulado “Kravivski Visti e os judeus, 1943: Uma contribuição das Relações Judaicas Ucranianas durante a Segunda Guerra Mundial” foi escrito pelo tio da Sra. Freeland, John-Paul Himka, agora professor emérito na Universidade de Alberta.

No prefácio do artigo, o Prof. Himka credita a Sra. Freeland por “apontar problemas e esclarecimentos”. A Sra. Freeland nunca reconheceu que seu avô foi um colaborador nazista e sugeriu na segunda-feira que a alegação era parte de uma campanha de desinformação russa.

Em 1996, o Prof. Himka escreveu sobre o trabalho do Sr. Chomiak para Kravivski Visti, um jornal de língua ucraniana sediado em Cracóvia que frequentemente publicava diatribes anti-judeus, incluindo “certas passagens em alguns dos artigos que expressavam a aprovação do que os nazistas estavam fazendo com os judeus”. [ênfase acrescentada].

Estranhamente, a Freeland ajudou a editar e esclarecer o artigo do Prof. Himka discutindo seu avô como editor chefe de um jornal nazista, no entanto, recusou-se a reconhecer publicamente o papel de seu avô e acusou qualquer referência a isso como parte de uma “campanha de desinformação russa”. De acordo com esta lógica de topsy-turvy, o tio da Freeland, Prof. Himka, faz parte desta “campanha de desinformação russa”, e ela é culpada de fornecer assistência a esta “campanha de desinformação russa”, tudo para arruinar sua carreira política e “desestabilizar as democracias ocidentais”.

Freeland também disse a seu tio, Prof. Himka, que está incluído em seu artigo, que de acordo com seu pai, seu avô Michael Chomiak também estava trabalhando em certa medida com a resistência anti-Nazista. Entretanto, o Prof. Himka não conseguiu verificar esta informação, que ele descreveu como “fragmentária e unilateral”.

Em abril passado, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, deu uma resposta explosiva aos recentes esforços odiosos de Chrystia Freeland para banir a Rússia de todas as organizações internacionais e instituições financeiras, revelando o verdadeiro tipo de trabalho que o avô de Freeland estava realizando. Você pode ler o discurso completo aqui.

Depois, há o estranho caso do tweeting da OTAN em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, no dia 08 de março passado, uma foto de uma soldado ucraniano feminino usando o símbolo do Sol Negro que está ligado ao ocultismo nazista e ao satanismo. A OTAN escreveu em seu post “Todas as mulheres e meninas devem viver livres e iguais”, enviando uma mensagem muito misturada. A OTAN também acabou tirando sua foto do símbolo do Sol Negro.

A linha do tempo dos posts de twitter da Freeland e da OTAN é muito estranho. Também levanta a questão, por que postar algo se você vai simplesmente apagá-lo? É apenas uma questão de não estar ciente de tais coisas, ou é uma questão de certos grupos se tornarem cada vez mais ousados e sem desculpas sobre onde está sua verdadeira lealdade? A Chrystia Freeland ou a OTAN passou por algum questionamento real ou reação negativa para tais exibições públicas? Na verdade, não.

Verificação dos “Fact-Checkers” sobre a Ucrânia

Antes de passarmos pela situação da Ucrânia hoje, eu queria compartilhar com vocês uma história muito relevante de como a CIA compra notícias.

Udo Ulfkotte era um conhecido jornalista alemão e autor de numerosos livros. Ele trabalhou durante 25 anos como jornalista, 17 dos quais para o Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ), incluindo seu papel como editor. Em seu livro de 2014 “Journalists for Hire: How the CIA Buys News“, Ulfkotte relata como a CIA juntamente com a Inteligência Alemã (BND) foram culpados de subornar jornalistas para escrever artigos que ou distorciam a verdade ou eram completamente fictícios a fim de promover uma dobra pró-ocidental, pró-NATO, e que ele era um desses jornalistas comprados.

https://youtu.be/HtX_p-bDyxw

Em uma entrevista, Ulfkotte descreve como ele finalmente ganhou coragem para publicar o livro, depois de anos coletando poeira, em resposta à crise que eclodiu em 2014 na Ucrânia, afirmando:

“Senti que tinha chegado a hora certa de terminá-lo e publicá-lo, porque estou profundamente preocupado com a crise ucraniana e as possíveis consequências devastadoras para toda a Europa e para todos nós… Não sou de modo algum pró-Rússia, mas é claro que muitos jornalistas seguem cegamente e publicam o que quer que a assessoria de imprensa da OTAN forneça. E este tipo de informações e relatórios são completamente unilaterais“. [grifo nosso].

Em outra entrevista, Ulfkotte afirmou:

“é claro como a luz do dia que os agentes de vários serviços estavam nos escritórios centrais da FAZ, o lugar onde eu trabalhei durante 17 anos. Os artigos apareceram sob meu nome várias vezes, mas não eram produto intelectual meu. Uma vez fui abordado por alguém da inteligência alemã e da CIA, que me disse que eu deveria escrever sobre Gaddafi e relatar como ele estava tentando construir secretamente uma fábrica de armas químicas na Líbia. Eu não tinha informações sobre nada disso, mas eles me mostraram vários documentos, eu só tinha que colocar meu nome no artigo. Você acha que isto pode ser chamado de jornalismo? Eu não acho.”

Ulfkotte declarou publicamente:

“Tenho vergonha disso. As pessoas para quem eu trabalhava sabiam desde o começo tudo o que eu fazia. E a verdade deve vir à tona. Não se trata apenas do FAZ, este é todo o sistema que é corrupto até o fim”. [ênfase acrescentada]

Udo Ulfkotte faleceu desde então. Ele morreu em janeiro de 2017, encontrado morto em sua casa, diz-se por um ataque cardíaco. Seu corpo foi rapidamente cremado, impedindo assim qualquer possibilidade de uma autópsia. Seu livro se tornou praticamente impossível de encontrar disponível para compra neste momento.

A situação atual no que diz respeito às reportagens da mídia sobre a Ucrânia não parece ser diferente, se é que alguma coisa, é muito pior.

Para reforçar o apoio às forças armadas ucranianas, Kiev tem produzido um fluxo constante de propaganda sofisticada destinada a agitar o apoio público e oficial dos países ocidentais.

A estratégia de propaganda da Ucrânia lhe rendeu elogios de um comandante da OTAN que disse ao Washington Post: “Eles são realmente excelentes em stratcom – mídia, operações de informação, e também psy-ops”. O Washington Post acabou por admitir que

“as autoridades ocidentais dizem que, embora não possam verificar independentemente grande parte das informações que Kiev divulga sobre a evolução da situação no campo de batalha, incluindo os números de baixas para ambos os lados, representa, no entanto, um estratagema altamente eficaz”.

Dan Cohen para a Mint Press News escreve:

“A chave para o esforço de propaganda é uma legião internacional de empresas de relações públicas trabalhando diretamente com o Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia para travar uma guerra de informação. Segundo o site de notícias do setor PRWeek, a iniciativa foi lançada por uma figura anônima que supostamente fundou uma empresa de relações públicas com sede na Ucrânia…

De acordo com a figura anônima, mais de 150 empresas de relações públicas aderiram à blitz de propaganda.

O esforço internacional é liderado pelos co-fundadores da empresa de relações públicas PR Network, Nicky Regazzoni e Francis Ingham, que é um dos principais consultores de relações públicas com laços estreitos com o governo britânico. Ingham trabalhou anteriormente para o Partido Conservador Britânico, tem assento no Conselho de Avaliação e Estratégia de Serviços de Comunicação do Governo Britânico, é Chefe Executivo da Organização Internacional de Consultoria em Comunicação, e lidera o órgão associativo dos comunicadores do governo local britânico, LG Comms”.

Assim, Ingham, que tem sido membro do governo britânico e continua a ter conexões de muito alto nível dentro do governo britânico, está desempenhando um papel de liderança na formação da forma como a guerra da Ucrânia está sendo representada.

Dan Cohen fornece uma explicação completa de como essas “empresas de relações públicas” têm sido responsáveis pela divulgação de notícias fabricadas e que, mesmo quando tais notícias são consideradas conclusivamente inverídicas, eles continuam a usá-las. Estas ferramentas de PR incluem gráficos de propaganda, que são criados a fim de encorajar a radicalização e a promoção da identidade ultra-nacionalista; o uso de linguagem xenófoba e racista (não apenas para os russos), o elogio direto aos neonazistas ucranianos como heróis, a idolatria do líder nazista da Unidade-B, Stefan Bandera, e o incentivo de atos violentos contra outros indivíduos (veja o artigo de Cohen mais para exemplos).

Por que alguém como Ingham estaria envolvido em algo assim? Bem, se você já leu meu artigo sobre “Como o Movimento Nacionalista Ucraniano foi Comprado e Pago pela CIA após a Segunda Guerra Mundial“, você verá que isto é apenas uma continuação de um roteiro de várias décadas.

Se você já se perguntou quem está por trás dos onipotentes “verificadores de fatos”, no caso do StopFake que se autodescreveram como tal, eles são financiados pelo National Endowment for Democracy (NED), também conhecido como o departamento de língua oficial da CIA, o Atlantic Council, a International Renaissance Foundation (financiado pelo bilionário da Open Society Foundation, George Soros), a embaixada britânica na Ucrânia, o Foreign & Commonwealth Office britânico, o German Marshall Fund, entre outros.

A StopFake foi contratada pelo Facebook em março de 2020 para “frear o fluxo da propaganda russa”, mas descobriu-se que empregava várias figuras intimamente ligadas aos violentos neonazistas. Isto, entretanto, não impediu o Facebook de continuar a trabalhar com a StopFake.

No final das contas, não parece importar quantas vezes esses árbitros da verdade estão errados, pois as autoridades americanas já admitiram que estão literalmente apenas mentindo para o público sobre o que está acontecendo na Ucrânia.

https://youtu.be/BXLKUCLhZos

Então, quão sério é o romance neo-nazista da Ucrânia?

Curiosamente, o próprio Conselho Atlântico reconhece que é bastante sério, em um artigo publicado em 2018 intitulado “Ukraine’s Got a Real Problem with Far-Right Violence (And No, RT Didn’t Write This Headline)“.

Josh Cohen para o Conselho do Atlântico escreve [os links são do artigo original]:

“Parece o material de propaganda do Kremlin, mas não é. Na semana passada a Rádio Hromadske revelou que o Ministério da Juventude e Esportes da Ucrânia está financiando o grupo neonazista C14 para promover “projetos de educação patriótica nacional” no país…”.

Sim, você leu bem, C14 junto com o Batalhão Azov tem treinado crianças, com incentivo e financiamento do governo ucraniano através do Ministério da Juventude e Esportes da Ucrânia sob o título “projetos nacionais de educação patriótica”, inclusive em táticas de terror.

Josh Cohen continua [os links são do artigo original]:

“Desde o início de 2018, o C14 e outros grupos de extrema-direita como a Milícia Nacional Filiada aos Azov, Right Sector, Karpatska Sich e outros atacaram grupos ciganos várias vezes, bem como manifestações antifascistas, reuniões de conselhos municipais, um evento organizado pela Anistia Internacional, exposições de arte, eventos LGBT e ativistas ambientais. No dia 08 de março, grupos violentos lançaram ataques contra as caminhantes do Dia Internacional da Mulher em cidades de toda a Ucrânia. Em apenas alguns destes casos, a polícia fez qualquer coisa para evitar os ataques e, em alguns casos, até prendeu manifestantes pacíficos em vez dos verdadeiros perpetradores“.

Após os ataques de 08 de março de 2018 contra os participantes do Dia Internacional da Mulher, a Anistia Internacional escreveu:

“A Ucrânia está afundando em um caos de violência descontrolada, colocada por grupos radicais e sua total impunidade. Praticamente ninguém no país pode se sentir seguro sob estas condições”.

Josh Cohen escreve:

“Para ser claro, partidos de extrema-direita como Svoboda têm um desempenho ruim nas pesquisas e eleições da Ucrânia, e os ucranianos não demonstram nenhum desejo de serem governados por eles. Mas este argumento é um pouco de “engano”. Não são as perspectivas eleitorais dos extremistas que devem preocupar os amigos da Ucrânia, mas sim a relutância ou incapacidade do Estado em enfrentar grupos violentos e acabar com sua impunidade. ” [grifo nosso].

No entanto, ouvimos diretamente da boca de Yevhen Karas, o líder do grupo neonazista C14 da Ucrânia, o que determina quem detém o poder na Ucrânia nunca foi realmente sobre pesquisas e eleições.

Veja o discurso de Yevhen Karas, líder da gangue terrorista neonazista ucraniana C14, pronunciado de Kiev no início deste mês. Diretamente da boca dos cavalos, ele afasta as muitas narrativas empurradas pela esquerda, pela mídia e pelo Departamento de Estado. pic.twitter.com/VWJqWPUGUp

– Alex Rubinstein (@RealAlexRubi) 27 de fevereiro de 2022

Como a famosa fita “f*ck the EU” revelou para o mundo estupefato, o povo ucraniano não tem realmente uma palavra a dizer sobre quem dirige seu governo. Após a chamada “Revolução da Dignidade”, onde os ucranianos literalmente morreram pela “democracia”, os EUA passaram a “influenciar” a lista do recém-formado governo ucraniano, especificamente em torno de membros do Setor Svoboda e Pravyi (Right Sector) que ocupavam cinco altos cargos no novo governo, incluindo o cargo de vice-primeiro ministro.

Mas os neonazistas não têm recebido apenas apoio ocidental na esfera política.

Ainda em outubro passado, como reação a sua visita diplomática fracassada à Rússia, Victoria Nuland, segundo o jornalista francês Thierry Meyssan, foi em frente e “impôs” Dmytro Yarosh ao Presidente Zelensky. Em 02 de novembro de 2021, o Presidente Zelensky nomeou Dmytro Yarosh (líder do grupo paramilitar ultra-nacionalista filiado ao neonazismo Right Sector 2013-2015) como Conselheiro do Comandante em Chefe das Forças Armadas da Ucrânia, Valerii Zaluzhnyi.

Este é o mesmo Dmytro Yarosh que está na “lista dos procurados” da Interpol desde 2014.

Os neonazistas também têm recebido treinamento contínuo pela CIA, SAS (Special Air Service) britânica, assim como outros países da OTAN, como o Canadá, desde pelo menos 2014. Este treinamento tem continuado apesar da entrada da Rússia na Ucrânia, o que foi confirmado pelo The Times, Ottawa Citizen, CTV News e Radio Canada.

O governo canadense tentou negar qualquer conhecimento sobre o treinamento de militantes neonazistas na Ucrânia e alegou que eles não são responsáveis por verificar quem eles estão de fato treinando, que isto é responsabilidade do governo ucraniano. No entanto, tais alegações de ignorância caíram quando os próprios neonazistas que estavam treinando foram adiante e postaram fotos em suas contas na mídia social, mostrando seus crachás neonazistas identificando-os como tal, sem qualquer problema para que todos pudessem ver.

Oficiais militares americanos e canadenses se encontram com membros fardados do Batalhão neonazista Azov durante uma sessão de treinamento multinacional em novembro de 2017 na Ucrânia.

Fotos de uma página excluída no website da Azov: https://t.co/08C1FLQ6Ee pic.twitter.com/5RAIif6OFf

– Max Blumenthal (@MaxBlumenthal) 20 de março de 2022

No mesmo dia que o tweet da OTAN no Dia Internacional da Mulher de um soldado ucraniano com o símbolo oculto do sol negro nazista, fotografias apareceram no twitter da NEXTA mostrando o Batalhão neonazista Azov recebendo treinamento por instrutores dos “países da OTAN” sobre como usar os lança-granadas NLAW.

Um carregamento de lança-granadas NLAW e instrutores dos países #NATO chegou em #Kharkov. O regimento Azov foi o primeiro a conhecer o novo arsenal. pic.twitter.com/CCzjN40rW7

– NEXTA (@nexta_tv) 08 de março de 2022

O distintivo no braço é o do Batalhão Neonazi Azov

O Right Sector, setor ultranacionalista de direita, também apareceu no campo com os lançadores NLAW fabricados no Reino Unido.

Nada diz estabilização como neonazistas do Right Sector armados com mísseis anti-tanque NLAW de fabricação britânica https://t.co/KS5FnHqWMR

– Max Blumenthal (@MaxBlumenthal) 07 de março de 2022

O Secretário de Defesa britânico Ben Wallace disse à Câmara dos Comuns em 09 de março que “até hoje, entregamos 3.615 NLAWs [às forças ucranianas] e continuamos a entregar mais”. Em breve iniciaremos também a entrega de uma pequena remessa de mísseis Javelin anti-tanque”.

Para uma lista completa de todas as armas enviadas à Ucrânia desde 2014 por todos os países envolvidos, consulte aqui.

Para aqueles especialmente inflexíveis que insistem que os neonazistas não são “oficialmente” parte do exército ucraniano, você deve ser informado de que o Batalhão Azov faz parte da Guarda Nacional da Ucrânia e, portanto, sim, é oficialmente parte do exército ucraniano.

Andriy Biletsky, o primeiro comandante do Batalhão Azov e mais tarde um parlamentar do Corpo Nacional liderou anteriormente a organização paramilitar neonazista “Patriota da Ucrânia”, e uma vez declarou em 2010 que era missão da nação ucraniana “liderar as raças brancas do mundo em uma cruzada final… contra os Untermenschen [sub-humanos] liderados pelos semitas”.

Em 2019, o Soufan Center, que rastreia grupos terroristas e extremistas ao redor do mundo, advertiu:

“O Batalhão Azov está emergindo como um nó crítico na rede transnacional de extremistas violentos de direita… [Sua] abordagem agressiva para o trabalho em rede serve a um dos objetivos principais do Batalhão Azov, para transformar as áreas sob seu controle na Ucrânia no núcleo principal da supremacia branca transnacional. ”

O Soufan Center descreveu como o “networking agressivo” do Batalhão Azov chega ao redor do mundo para recrutar combatentes e espalhar sua ideologia de supremacia branca. Os combatentes estrangeiros que treinam e lutam com o Batalhão Azov voltam então para seus próprios países para aplicar o que aprenderam e recrutar outros.

Em 2014, a Newsweek publicou um artigo intitulado “Voluntários Nacionalistas Ucranianos Cometendo Crimes de Guerra ‘Estilo ISIS’. “Isto é uma indicação de como os Azov e ISIS receberam seu financiamento e treinamento das mesmas fontes? Hmmm.

Recentemente a OTAN chegou ao ponto de fazer um pequeno filme em homenagem aos colaboradores nazistas do Báltico, os “Irmãos da Floresta”. O filme da OTAN reabilita os “Irmãos da Floresta”, antigos combatentes da Waffen SS que colaboraram voluntariamente com os nazistas, como heróis anticomunistas.

Esta é a história dos Irmãos da Floresta que lutaram contra o exército soviético por suas pátrias após a Segunda Guerra Mundial pic.twitter.com/4JcfuJPmeO

– OTAN (@NATO) 11 de julho de 2017

Dovid Katz, um importante historiador e investigador anti-Nazista, condenou o filme da OTAN por reescrever a história:

“Ao ir além de fazer vista grossa ao culto das forças pró-Hitler na Europa Oriental…[a OTAN] está cruzando a linha até oferecer sua legitimação moral às forças nazistas, como as Waffen SS letãs”. [grifo nosso].

David Ignatius, o colunista do Washington Post e voz confiável do aparelho de inteligência dos EUA, observou que mesmo antes da invasão russa da Ucrânia, “os Estados Unidos e aliados da OTAN [estavam] prontos para fornecer armas e treinamento para uma longa batalha de resistência”.

Este é o mesmo David Ignatius que já foi presidente do National Endowment for Democracy (NED) (também conhecido como especialistas em revoluções coloridas), que declarou arrogantemente em uma entrevista de 1991 que

“muito do que fazemos hoje foi feito secretamente há 25 anos pela CIA… A maior diferença é que quando tais atividades são feitas abertamente, o potencial de flap é próximo de zero. A abertura é sua própria proteção”.

Acho que o NED teve uma mudança de opinião sobre “abertura é sua própria proteção”.

Jeremy Kuzmarov para a Covert Action Magazine escreve em um artigo intitulado “National Endowment for Democracy Deletes Records of Funding Projects in Ukraine” [links do artigo original]:

“O National Endowment for Democracy (NED) – uma iniciativa da CIA fundada no início dos anos 80 para promover iniciativas de “promoção da democracia” em todo o mundo – apagou todos os registros de projetos de financiamento na Ucrânia de seu banco de dados pesquisável “Awarded Grants Search”.

A página web arquivada capturada em 25 de fevereiro de 2022 das 14:53 mostra que a NED concedeu 22.394.281 dólares na forma de 334 prêmios à Ucrânia entre 2014 e o presente. A captura às 23:10 do mesmo dia mostra “Nenhum resultado encontrado” para a Ucrânia. A partir de agora, ainda há “Nenhum resultado encontrado” para a Ucrânia.

O apagamento dos registros da NED é necessário para validar a grande mentira da administração Biden – que a invasão russa da Ucrânia foi ‘não provocada‘”. [ênfase adicionada].

Quem mais sofrerá neste plano por uma longa batalha de resistência? O povo ucraniano.

Se a principal razão de Putin para entrar na Ucrânia é para “desnazificar” o país, e a OTAN e a Cia. estão persistentemente “nazificando” os componentes políticos e militares da Ucrânia, você pode ver como isto está tornando impossível uma situação de paz na Ucrânia, e que a culpa disto é da CIA e da OTAN.

Você também pode entender como a entrada da Ucrânia na OTAN foi inaceitável apenas por sua localização geográfica (a distância entre a fronteira da Ucrânia e Moscou é de 450 km), entretanto, acrescente-se que a OTAN está envolvida na promoção dos militantes neonazistas na Ucrânia e que agora tanto a Suécia quanto a Finlândia também expressaram o desejo de aderir à OTAN (sem referendo, uma vez que a democracia está oficialmente morta na Guerra Fria 2.0) e temos nós mesmos uma verdadeira tempestade.

No entanto, isto não é apenas uma ameaça para a Rússia. A realidade da situação é que a Ucrânia tem estado em uma guerra civil nos últimos 8 anos, embora a mídia ocidental se recuse a reconhecer este fato muito importante.

Ivan Katchanovski, Professor de Estudos Políticos na Universidade de Ottawa, disse à MintPress:

“As pessoas que valorizam a cobertura da mídia ocidental teriam uma percepção muito distorcida do conflito da Ucrânia e sua origem… Omitem ou negam que há uma guerra civil em Donbas, embora a maioria dos estudiosos que [publicaram ou apresentaram este conflito em locais acadêmicos ocidentais o classifiquem como uma guerra civil com intervenção militar russa. A mídia ocidental também omitiu que as recentes ‘marchas da unidade’ em Kharkov e Kiev e um treinamento encenado de civis, incluindo uma avó, foram organizados e liderados pela extrema direita, em particular, o Neo-Nazista Azov [Batalhão]”.

Robert Parry do Consortium News escreveu [link é do artigo original]:

“No domingo, um artigo do Times de Andrew E. Kramer mencionou o emergente papel paramilitar neonazista nos três últimos parágrafos… Em outras palavras, as milícias neonazistas que surgiram na frente de protestos anti-Yanukovych… foram agora organizadas como tropas de choque enviadas para matar russos étnicos no leste [da Ucrânia] – e estão operando tão abertamente que içam uma bandeira suástica neonazista sobre uma vila conquistada com uma população de cerca de 10.000 habitantes.

Enterrar esta informação no final de um longo artigo também é típico de como o Times e outros veículos de notícias dos EUA lidaram com o problema neonazista no passado. Quando a realidade é mencionada, geralmente é necessário que um leitor saiba muito sobre a história da Ucrânia e leia nas entrelinhas de uma notícia norte-americana”. [grifo nosso].

Na imagem acima, que descreve a distribuição populacional de ucranianos e russos dentro da Ucrânia, você pode entender como uma visão ultra-nacionalista que se identifica como única etnia ucraniana seria um catalisador para uma guerra civil.

O povo de Donbass, compreensivelmente, pediu a independência da Ucrânia, mas o governo ucraniano se recusou a permitir isso sem e nem interviu para uma resolução pacífica. O que isto significa? A guerra só pode terminar quando um dos lados está completamente morto.

Não só é do conhecimento público que os EUA e a OTAN têm financiado e treinado neonazistas, como também têm garantido um fornecimento maciço de armas (como mencionado anteriormente). Chegou-se a tal ponto que em 2018, o Congresso teve que proibir os Estados Unidos de enviar mais armas às milícias ucranianas ligadas aos neonazistas, mencionando especificamente o Batalhão Azov. Por alguma razão, esta proibição deveria durar apenas três anos, portanto, parece que agora é um jogo justo…

Mas você pode dizer, e quanto aos crimes da Rússia contra o povo ucraniano, eles não são muito piores do que até mesmo os viciosos neonazistas? Nomeadamente o bombardeio do teatro de Mariupol e o massacre de Bucha. Já foram feitas investigações jornalísticas minuciosas sobre o primeiro, que podem ser encontradas aqui, que mostram conclusivamente que o bombardeio do teatro de Mariupol foi uma bandeira falsa.

Quanto ao massacre de Bucha, ainda não foram apresentadas evidências que provem conclusivamente quem cometeu esta atrocidade, houve apenas afirmações. Lembre-se que os ataques químicos na Síria também estavam cheios de afirmações, às quais o jornalista investigativo Seymour Hersch escreveu um relatório intitulado “Qual Sarin?”, que provou conclusivamente que as afirmações populares sendo empurradas pelo governo Obama em sua tentativa de incriminar o governo sírio, eram, na verdade, falsas. Ao contrário, ele apontava para o fato de que os verdadeiros terroristas eram os que usavam sarin contra os civis sírios, que estavam recebendo financiamento americano e armas.

Infelizmente, o tempo é essencial na investigação de crimes como estes e, apesar das consequências da desumanidade de tais eventos, há sempre um grande arrastar de pés, se não a demissão imediata, sobre uma investigação oficial e neutra de tais cenas de crime. Por que isto acontece?

A Rússia solicitou ao Conselho de Segurança da ONU uma investigação sobre e a discussão do massacre de Bucha. A China também pediu uma investigação oficial sobre o massacre e recebeu um backlash por reter a culpa até que todos os fatos sejam conhecidos. Entretanto, uma investigação oficial tem sido repetidamente recusada. Por quê? Este deveria ser o protocolo oficial para tais questões.

Em vez disso, a resposta a isso foi a ONU suspender a Rússia de seu órgão de Direitos Humanos. Assim, não apenas negando uma investigação oficial, mas negando à Rússia uma voz na resposta ao assunto.

O elefante branco perturbador na sala em tudo isso é que o Batalhão Azov já foi considerado culpado de atrocidades similares contra seu próprio povo ucraniano, o que foi investigado exaustivamente por Max Blumenthal e Esha Krishnaswamy e que pode ser encontrado aqui (aviso: há conteúdo gráfico).

O Batalhão Azov também foi considerado culpado de colocar intencionalmente em risco cidadãos ucranianos, posicionando sua artilharia e militares em áreas residenciais e edifícios, incluindo creches e hospitais, aos quais até o Washington Post teve que reconhecer em seu artigo enganosamente intitulado “A Rússia matou civis na Ucrânia“. As táticas de defesa de Kiev aumentam o perigo.

Entretanto, estas não são simplesmente “táticas de defesa”, são crimes de guerra flagrantes que são reconhecidos como tal pelo Direito Internacional. Estes crimes de guerra são reconhecidos publicamente, causando a morte de um número significativo de ucranianos. Apenas para ficar claro aqui, durante os tempos de guerra, aos quais o Washington Post também reconhece, os soldados e armamentos ucranianos são alvos legítimos para os militares russos. Não é a Rússia que está cometendo o crime de guerra aqui, é o governo ucraniano. Eles foram literalmente pegos usando seu próprio povo como escudos humanos.

Isto ainda soa como um movimento nacionalista patriótico para o bem-estar e a soberania do povo ucraniano?

De acordo com uma entrevista com Scott Ritter, ex-oficial de inteligência naval dos EUA, os militares russos deixaram claro que estão usando “táticas sírias” na Ucrânia.

Scott Ritter explica que a tática dos militares russos na Síria foi:

“[…] cercar as áreas urbanas onde estes jihadistas estavam reunidos aterrorizando a população, cercá-los e dar-lhes a oportunidade de evacuar em ônibus com sua segurança garantida pela polícia militar russa. Uma abordagem suave que protegia os civis, que protegia as áreas civis”.

Foi esta tática que permitiu aos russos, juntamente com o exército sírio, derrotar o ISIS e outros afiliados terroristas. Hoje eles só ocupam a província de Idlib. Estes terroristas que permanecem não teriam sido possíveis sem o apoio da Turquia. Esta iniciativa para livrar a Síria do ISIS foi algo que os Estados Unidos claramente nunca estiveram interessados em apoiar.

Na imagem à esquerda o vermelho e em grande parte o azul representam a região controlada por terroristas, ou como Obama gostava de chamá-los de “rebeldes moderados” no ano 2017, na imagem à direita o roxo e o cinza representam a região controlada por terroristas no ano 2021. O verde é a presença ilegal dos Estados Unidos e companhia no país.

Curiosamente, quando os russos entraram na Síria para combater os terroristas a pedido do governo sírio, isto também foi chamado de “invasão russa” por certos quadrantes da mídia ocidental. No entanto, não foram os russos que bombardearam as cidades sírias, mas sim os bons e velhos EUA.

Na mesma entrevista, Scott Ritter declarou que estes mesmos terroristas que foram colocados em Idlib estão agora sendo trazidos para a Ucrânia:

“[…][Zelensky] abriu a porta para os guerreiros ilegais, os mercenários da Europa… os exploradores do conflito…[e] eles trouxeram os jihadistas…[que] ostensivamente querem matar os russos… É um veneno… agora vamos ter esses jihadistas, que estão sendo armados a propósito com mísseis de dardo e mísseis stinger. Imagine o que acontece quando um bando de jihadistas sedentos de sangue leva essas armas para a Europa. Você gostaria de ser o chanceler alemão dirigindo em uma rodovia sabendo que nas colinas poderia haver uma equipe de ataque jihadista armada com dardos?…. Este é literalmente o pior tipo de decisão jamais tomada para colocar tanto armamento na Ucrânia de forma descontrolada. Mesmo antes da chegada do jihadista, você estava dando isso aos neonazistas que não podem se render. Eles não podem se render porque serão mortos, com razão. Então o que fazem as pessoas desesperadas quando não podem se render e não morrem? Eles fogem com o armamento que têm. Eles vão enterrá-lo, fazendo caches, caindo de novo sobre ele, continuando a resistência fútil e, na sua raiva para com o Ocidente, eles vão chicotear o Ocidente…é assim que o terrorismo global nasce”.

Como isso seria do melhor interesse do bem-estar de alguém na Europa e muito menos da Ucrânia? Não é.

Em novembro de 2015, foi apresentada uma resolução da ONU que condenava a glorificação do nazismo. Do total de 126 estados membros, 53 países, incluindo nações membros da União Europeia, se abstiveram de votar, quatro países votaram contra a resolução: Canadá, Palau, Estados Unidos e Ucrânia.

Por que você acha que isso acontece?

Zelensky: o Enigma

Muitos ficaram especialmente confusos sobre como a Ucrânia pode ter um problema neo-nazista tão grave, quando tem um presidente judeu.

Há algo que você deve saber sobre a posição de “Presidente” da Ucrânia desde 2014, em um país onde os neonazistas têm se tornado mais confiantes do que a máfia jamais foi, que eles literalmente não podem ser tocados, pois têm o apoio direto e a proteção dos Estados Unidos e da OTAN.

Quando o Presidente Poroshenko (junho de 2014–maio de 2019) negociou os acordos de Minsk em setembro de 2014, ele concordou, juntamente com a Alemanha e a França, com o status especial de autonomia de Donetsk e Lugansk, e que sob esta condição especial, eles permaneceriam como parte da Ucrânia.

De acordo com uma entrevista[1] com Scott Ritter, isto era inaceitável para os neonazistas que ameaçavam a vida de Poroshenko, se tal coisa fosse implementada.

Os acordos de Minsk nunca foram colocados em prática. Em vez disso, a Ucrânia entrou em uma guerra civil que já dura há 8 anos e continua até hoje. Os acordos de Minsk expiraram oficialmente em 21 de fevereiro de 2022, no mesmo dia em que a Duma da Rússia aprovou um projeto de lei que reconhecia oficialmente Donetsk e Lugansk como Estados independentes. Esta rejeição final pelo governo ucraniano foi uma clara indicação de que sua guerra contra Donbass seria intensificada.

A situação com o Presidente Zelensky não é diferente.

Em outubro de 2019, o Presidente Zelensky (que assumiu o cargo em maio de 2019), teve um confronto frente a frente registrado com os militantes do Batalhão Azov, que haviam lançado uma campanha para sabotar a iniciativa de paz chamada “Não à Capitulação”.

Kyiv Post traduziu a conversa como tal:

“‘Ouça, Denys [Yantar], eu sou o presidente deste país. Tenho 41 anos de idade. Eu não sou um perdedor. Eu vim até você e lhe disse: retire as armas. Não desvie a conversa para alguns protestos”, disse Zelensky, vídeos do programa. Ao dizer isto, Zelensky aproximou-se agressivamente de Yantar, que chefia o Corpo Nacional, um grupo político do batalhão de voluntários Azov da extrema-direita, na cidade de Mykolaiv.

Mas nós já discutimos isso”, disse Yantar.

“Eu queria ver compreensão em seus olhos. Mas, em vez disso, vi um cara que decidiu que este é um perdedor na sua frente’, disse Zelensky”.

O Kyiv Post continua em seu artigo, que esta reação do Presidente Zelensky recebeu um forte rechaço de certos quadrantes da Ucrânia:

“Andriy Biletsky, chefe do Corpo Nacional e do Batalhão Azov, ameaçou Zelensky em seu canal no YouTube que mais veteranos se dirigiriam à Zolote se o presidente tentasse expulsá-los da cidade. “Haverá milhares lá em vez de várias dezenas”, disse ele.

A cantora Sofia Fedyna, que é legisladora do partido Solidariedade Europeia do ex-presidente Petro Poroshenko, que tem 27 cadeiras no parlamento, foi particularmente agressiva em sua resposta. Ela emitiu ameaças físicas contra Zelensky.

“O Sr. Presidente pensa que ele é imortal”, disse ela em um vídeo compartilhado no Facebook. “Uma granada pode explodir lá, por acaso. E seria o mais bonito se isso acontecesse durante o bombardeio de Moscou quando alguém chega à linha de frente vestindo uma camisa branca ou azul”.

Zelensky já visitou anteriormente a linha de frente vestido com roupas civis, em vez de fardas militares”.

Assim, o Batalhão neonazista Azov ameaçou publicamente Zelensky se ele interviesse na tentativa de negociar a paz e acabar com a guerra civil da Ucrânia.

No entanto, esta não é a história completa.

O presidente Zelensky também é apoiado pelo oligarca ucraniano Ihor Kolomoisky, que patrocinou a ascensão de Zelensky à presidência, não apenas com sua campanha presidencial, mas também no programa televisivo “Servo do Povo”, que Zelensky literalmente “brincou” de presidente por três temporadas, que decorreu de 16 de novembro de 2015 a 28 de março de 2019. Zelensky foi eleito presidente da Ucrânia menos de dois meses após o último episódio, em 20 de maio de 2019.

O ex-presidente Poroshenko até chamou publicamente Zelensky de “fantoche de Kolomoisky” durante a campanha presidencial.[2]

Relatórios do Kyiv Post:

“Durante anos, a empresa de Zelensky produziu programas para o maior canal de TV de Kolomoisky, 1 + 1. Em 2019, os canais de mídia da Kolomoisky deram um grande impulso à campanha presidencial de Zelensky. Depois da vitória de Zelensky, Kolomoisky manteve seu relacionamento com o presidente, nomeando mais de 30 legisladores para o partido recém estabelecido de Zelensky, e mantendo influência com muitos deles no parlamento”.

Desde a presidência de Zelensky, Kolomoisky tem sido capaz de assegurar o controle de uma parte significativa do setor energético da Ucrânia, incluindo Ukrnafta e Centrenergo, assim como a Burisma Holdings.

Um estudo de 2012 da Burisma Holdings realizado na Ucrânia pelo Centro de Ação Anticorrupção (ANTAC) descobriu que o verdadeiro proprietário da Burisma Holdings não era outro senão Kolomoisky.

Recordar o escândalo de Joe e Hunter Biden sobre a Burisma Holdings, a empresa de gás ucraniana. Os Bidens se unem à Kolomoisky e a situação da Ucrânia hoje não é uma coincidência.

Nos anos 90, a Kolomoisky criou o PrivatBank, que rapidamente se tornou uma das maiores instituições financeiras da Ucrânia.

Em 2016, a Ucrânia nacionalizou o PrivatBank de Kolomoisky e seu parceiro de negócios, Gennadiy Boholiubov. Uma queixa de confisco civil do Departamento de Justiça dos EUA, de dezembro de 2020, disse que os dois homens “desviaram e defraudaram o banco de bilhões de dólares“. [grifo nosso].

Há também a questão do Pandora Papers, que confirmou que o oligarca ucraniano Kolomoisky estava canalizando milhões de dólares em ativos escondidos no mar. Zelensky também estava envolvido nisto. E o que isto, naturalmente, também significa, é que a cidade de Londres está ligada a tudo isto.

Kolomoisky tem uma história notória de ser um “raider” literal das empresas ucranianas, como confirmado pela Harper’s Magazine, e pela Forbes.

Relatórios da Forbes:

“Bogolyubov e Kolomoisky fomentaram uma forte reputação como raiders corporativos em meados dos anos 2000, tornando-se notórios para uma série de aquisições hostis. Aquisições hostis ao estilo ucraniano, ou seja, que muitas vezes incluíam o envolvimento ativo das equipes quase militares da Privat.”

Kolomoisky, que é judeu, também é um financiador do Batalhão neonazista Azov desde que foi formado em 2014, o que foi confirmado pela Reuters, Newsweek e Aljazeera.

Ele também patrulhou milícias privadas como os batalhões Dnipro e Aidar e as implantou pessoalmente para proteger seus interesses financeiros.

Em outras palavras, a Kolomoisky está financiando o Batalhão neonazista Azov, que tem lutado contra os ucranianos orientais nos últimos 8 anos, e assim tem alimentado diretamente a guerra civil na Ucrânia. Uma das razões para isto, é que Donbass é uma região com muitos recursos naturais, especialmente para o setor energético, do qual Kolomoisky gostaria muito de estar em posse. Isto só poderia ocorrer com o extermínio ou a ocupação do povo de Donbass.

Curiosamente, neste último Dia da Vitória (08 de maio), a entrevista de Dmitry Polyansky, Primeiro Representante Permanente Adjunto da Rússia na ONU, foi cortada no Sky News quando ele mencionou que Zelensky compartilhou em sua conta do Twitter para o Dia da Vitória a insígnia da 3ª Divisão Panzer nazista da SS Totenkopf.

Após anos de guerra civil, a cidade de Mariupol foi agora libertada. Você acha que o povo do Ocidente alguma vez ouvirá falar disso?

Para onde vamos a partir daqui?

Bem, deixe-me colocar desta forma. Os Estados Unidos e a OTAN sabem que não podem derrotar a Rússia ou a China em uma guerra direta, daí todas essas guerras por procuração nos últimos anos sob o disfarce de “Guerra ao Terror”. Como David Ignatius honestamente expressou, seu desejo é uma guerra de longa duração. Isto porque eles acreditam que podem falir a Rússia e/ou preparar o cenário para a agitação interna e um eventual golpe. No entanto, as coisas claramente não estão indo como planejado.

O que tem sido muito subestimado nesta situação é 1) a sólida aliança da China com a Rússia, 2) que a Rússia é o país mais abundante em recursos do mundo do qual a Europa depende, e 3) o brilhantismo econômico de Sergey Glazyev.

O rublo da Rússia também não se afundou como esperado. Na verdade, ele ficou mais forte do que nunca.

Alasdair Macleod para Goldmoney escreve:

“Os keynesianos no Ocidente leram mal esta situação. Eles acham que a economia russa é fraca e será desestabilizada por sanções. Isso não é verdade. Além disso, eles argumentariam que uma moeda fortalecida por insistir que o petróleo e o gás natural são pagos em rublos empurrará a economia russa para uma depressão. Mas isso é apenas um efeito estatístico e não capta o verdadeiro progresso econômico ou a falta dele, que não pode ser medido. O fato é que as lojas na Rússia estão bem abastecidas e o combustível está livremente disponível, o que não é necessariamente o caso no Ocidente.

As vantagens para a Rússia são que, à medida que as moedas do Ocidente mergulham em crise, o rublo será protegido. A Rússia não sofrerá com a crise cambial do Ocidente, ela ainda receberá compensação da inflação nos preços das commodities e suas taxas de juros cairão enquanto as do Ocidente estiverem em alta. Seu superávit na balança comercial já está batendo novos recordes”.

É o Ocidente que calculou mal em tudo isso, e é a economia deles que vai tirar totalmente proveito dessa guerra “longa” sobre a qual esses oligarcas têm tido sonhos molhados sabe-se Deus há quantos anos.

Fizemos isso a nós mesmos. E se realmente quisermos corrigir o assunto, devemos primeiro ter o respeito de admitir a verdade em nossa cumplicidade com grande parte dos males do mundo durante este período da Guerra Fria. Aqueles de nós que vivemos em abundância, em conforto e segurança, deveríamos dar o primeiro passo para falar e não dizer mais nada ao resto do mundo vivendo em uma agonia devastada pela guerra.

Devemos deixar de cuidar de nós mesmos primeiro, às custas de todo o resto. Devemos começar a cuidar dos outros antes de tudo e reconhecer os crimes que foram cometidos em nosso nome. Só então poderemos ter verdadeiramente a humildade de ver que a solução tem estado diante de nosso rosto o tempo todo.

Se falharmos nisto, o mundo ocidental não será capaz de se sustentar por muito mais tempo economicamente. E quando isso acontecer, que tipo de pessoas você acha que você estará cercado após todos esses anos de apoio ao fascismo sob seu próprio nariz?


 A autora pode ser contatada no site cynthiachung.substack.com

  1. https://www.youtube.com/watch?v=AYm8pDrIXBg minuto 19:33
  2. https://www.youtube.com/watch?v=MXgli7TpINw Ata 0:49

Fonte: https://thesaker.is/so-how-serious-is-ukraines-neo-nazi-romance/

Be First to Comment

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.