PT — Manlio Dinucci — A Arte da Guerra — O LADO NEGRO DA 5G: O USO MULITAR

O Pentágono já está a experimentar as aplicações militares desta tecnologia em cinco bases aéreas, navais e terrestres: Hill (Utah), Nellis (Nevada), San Diego (Califórnia), Albany (Geórgia), Lewis-McChord (Washington), Confirmou, em conferência de imprensa, em 3 de Junho, o Dr. Joseph Evans, Director Técnico da 5G, do Departamento de Defesa.

Ele então anunciou que as aplicações militares da 5G, serão, em breve, testadas noutras sete bases: Norfolk (Virginia), Pearl Harbor-Hickam (Hawaii), San Antonio (Texas), Fort Irwin (Califórnia), Fort Hood (Texas), Camp Pendleton (Califórnia), Tinker (Oklahoma).

Os especialistas prevêem que a 5G terá um papel decisivo no desenvolvimento de armas hipersónicas, inclusive as que têm ogivas nucleares: para guiá-las em trajectórias variáveis, a fim de evitar mísseis interceptores, têm de recolher, processar e transmitir muito rapidamente, enormes quantidades de dados. É necessário o mesmo para activar as defesas em caso de ataque com tais armas, confiando nos sistemas automáticos.

A nova tecnologia também terá um papel fundamental na battle network (rede de batalha), sendo capaz de conectar milhões de equipamentos de rádio bidireccionais numa área circunscrita.

A 5G também será extremamente importante para os serviços secretos e para as forças especiais: tornará possível sistemas de espionagem muito mais eficazes e aumentará a letalidade dos drones assassinos.

Essas e outras aplicações militares dessa tecnologia estão, certamente, também a ser estudadas na China e noutros países. Portanto, o que está em curso sobre a 5G não é só uma guerra comercial.

Confirma-o o documento estratégico do Pentágono: “As tecnologias 5G representam capacidades estratégicas determinantes para a segurança nacional dos Estados Unidos e dos nossos aliados”. É necessário, portanto, “protegê-las dos adversários” e convencer os aliados a fazerem o mesmo para garantir a “interoperabilidade” das aplicações militares da 5G no âmbito da NATO.

Isto explica por que é que a Itália e os outros aliados europeus dos EUA excluíram a Huawei e outras empresas chinesas das licitações para o fornecimento de equipamentos de telecomunicações 5G.

“A tecnologia 5G – explica o Dr. Joseph Evans numa conferência de imprensa, no Pentágono – é vital para manter as vantagens militares e económicas dos Estados Unidos”, não só contra os seus adversários, principalmente a China e a Rússia, mas também contra os próprios aliados.

Por esta razão “o Departamento de Defesa está a trabalhar estreiramente com parceiros industriais, que investem centenas de biliões de dólares em tecnologia 5G, a fim de explorar esses investimentos maciços para aplicações militares de 5G”, incluindo “aplicações de dupla utilização” militares e civis.

Por outras palavras, a rede comercial 5G, construída por empresas privadas, é usada pelo Pentágono com uma despesa menor do que seria necessário se a rede fosse construída apenas para fins militares.

Serão os utentes comuns – a quem as multinacionais 5G venderão os seus serviços – a pagar pela tecnologia que, como prometem, deve “mudar as nossas vidas”, mas que, ao mesmo tempo, será utilizada para criar armas da nova geração para uma guerra, que significará o fim das gerações humanas.

Manlio Dinucci

il manifesto, 8 de Setembro de 2020

APPEAL TO THE LEADERS OF THE NINE NUCLEAR WEAPONS’ STATES

(China, France, India, Israel, North Korea, Pakistan, Russia, the United Kingdom and the United States)

中文 DEUTSCH ENGLISH FRANÇAIS ITALIAN PORTUGUESE RUSSIAN SPANISH ROMÂNA

Sign this Petition


Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos

Email: luisavasconcellos2012@gmail.com

Webpage: NO WAR NO NATO

Pages: 1 2