THIERRY MEYSSAN — 12 de Abril de 2017 : o mundo inclina-se novamente para a guerra

JORNAL DA MUDANÇA DA ORDEM MUNDIAL #14

12 de Abril de 2017 : o mundo inclina-se novamente para a guerra

por Thierry Meyssan

A Casa Branca finalmente alinhou com a Coligação formada pelos neoconservadores em volta do Reino Unido e de várias empresas multinacionais. Os Estados Unidos retomam a política imperialista que decidiram em 1991 e reactivam a NATO. A ruptura com a Rússia e com a China foi consumada em 12 de Abril de 2017. O mundo está novamente na iminência de uma guerra nuclear.

RÉSEAU VOLTAIRE | DAMASCO (SÍRIA) | 13 AVRIL 2017 

DEUTSCH  ESPAÑOL  فارسى  ENGLISH  ΕΛΛΗΝΙΚΆ 

Durante duas semanas de intensa batalha no seio da administração Trump, os Estados Unidos atacaram ilegalmente a base aérea de Shai’yrat (na Síria) e depois multiplicaram sinais contraditórios, antes de apresentar as suas cartas:tornaram a lançar a sua política imperialista, de modo irrefutável..

Em menos de duas semanas, a administração Trump defendeu 7 posições diferentes a respeito da República Árabe da Síria. [1]

Em 12 de Abril de 2017, os Estados Unidos realizaram uma grande reviravolta.

Na mesma altura, o Secretário de Estado, Rex Tillerson,  viajou para Moscovo para tentar uma última abordagem pacífica; o Conselho de Segurança da ONU reuniu-se e registou uma acta do confronto; o Presidente Trump tornou a lançar a NATO contra a Rússia.

O Conselheiro Especial do Presidente Trump, Steve Bannon e o Secretário Adjunto, Sebastian Gorka, preparavam-se para reunir ao General Michael Flynn, enquanto a imprensa a favor de Trump fazia um balanço da sua actividade. Os boatos garantem que o genro do Presidente, Jared Kushner, é a única pessoa que o Presidente escuta, sem que esta informação seja verificável.

Parece que a Casa Branca está abalada, sob o impulso dos britânicos, que procuram preservar por todos os meios, o sistema jihadista que criaram. [2] O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, apoiou-se nos dirigentes europeus, que se tinham deixado convencer pelos neoconservadores, durante a Conferência de Segurança em Munique, em 19 de Fevereiro. [3]

Para justificar a agressão de um Estado soberano, membro da ONU, Rex Tillerson só pôde  referir um resumo dos serviços secretos americanos sobre o incidente de Shaykhun Khan; síntese que não apresenta nenhuma prova para suspeitar da Síria, mas que refere informações classificadas e termina com um apelo para a queda do “regime” vigente. [4].

A natureza irreversível desta reviravolta é medida através da leitura da resolução apresentada pela NATO no Conselho de Segurança, que a Rússia vetou. [5] Apresentado no Ocidente como um simples pedido de uma investigação neutra sobre o incidente químico Shaykhun Khan, na realidade tratava-se da colocação da Força Aérea síria sob o controle do número 2 da ONU, Jeffrey Feltman. Este antigo conselheiro de Hillary Clinton, é o autor de um plano, total e incondicional, de rendição da Síria. [6]

O texto desta resolução mostra que o esboço foi arquivado em 6 de Abril, mas que os Estados Unidos não tinha submetido a votação, pois estavam pouco seguros si mesmos. Ignora a tentativa de mediação dos membros eleitos do Conselho de Segurança, que tentaram retornar a um pedido normal de investigação da ONU [7].

O princípio da colocação da Força Aérea síria sob o controlo da ONU utiliza a táctica que foi implementada, há 19 anos, em 1998, contra a Sérvia até à intervenção militar ilegal da NATO.

O Presidente Donald Trump concluiu a sua reviravolta ao receber o Secretário Geral da NATO, Jens Stoltenberg, na Casa Branca. Numa conferência de imprensa conjunta, declarou já não mantém que a Aliança seja obsoleta, agradeceu o apoio da mesma contra a Síria, e que está preparado para trabalhar em estreita colaboração com seus aliados. [8]

Em resposta, a Rússia esclareceu que tinha actualizado 60% de sua força nuclear e que estava pronta para a guerra. [9]

Encontramo-nos na mesma situação de há seis meses, quando os Estados Unidos de Barack Obama, se recusaram a trabalhar com a China, com a Rússia e com os aliados dessas duas nações (Organização de Cooperação de Xangai e Organização do Projecto de Segurança Colectiva). Nessa altura, propunham cortar o mundo em duas partes distintas, não se comunicariam uma com a outra, de maneira nenhuma. [10]

Thierry Meyssan

” class=”” data-blogger-escaped-style=”background-attachment: initial; background-clip: initial; background-image: url(“local/cache-sprites/recommander.png?m=1492106735″); background-origin: initial; background-position: 0px 0px; background-repeat: initial; background-size: initial; border: none; height: 15px; margin: 0px; padding: 0px; width: 15px;” data-orig-src=”http://www.voltairenet.org/rien.gif” height=”15px” src=”https://images-blogger-opensocial.googleusercontent.com/gadgets/proxy?url=http%3A%2F%2Fwww.voltairenet.org%2Frien.gif&container=blogger&gadget=a&rewriteMime=image%2F*” width=”15px” style=”cursor: move; background-position: 0px 0px; border: none; height: 15px; margin: 0px; padding: 0px; width: 15px;”>      

[1] « Les 6 positions de l’administration Trump sur la Syrie », Réseau Voltaire, 11 avril 2017.

[2Sous nos Yeux. Du 11-Septembre à Donald Trump, Thierry Meyssan, éditions Demi-Lune, 2017. Voir la seconde partie de l’ouvrage.

[3] « Le détournement de la Conférence sur la Sécurité de Munich », par Thierry Meyssan, Réseau Voltaire, 21 février 2017.

[4] “The Assad regime’s used of chemical weapons, on April 4, 2017”, White House.

[5] “US, UK & France Resolution on Syria (Russian vetoed)”, Voltaire Network, April 12, 2017.

[6Sous nos Yeux. Du 11-Septembre à Donald Trump, Thierry Meyssan, éditions Demi-Lune, 2017. Pages 238-244 et 249-251.

[7] “Security Council Elected Members’ Initiative : Compromise Draft Resolution on Chemical Attack in Idlib, Syria (withdrawn)”, Voltaire Network, 6 April 2017.

[8] « Donald Trump relance l’Otan », Réseau Voltaire, 13 avril 2017.

[9] « La Russie se tient prête à une guerre nucléaire », Réseau Voltaire, 13 avril 2017.

[10] « Journal du changement d’ordre mondial #13 : Deux mondes distincts », par Thierry Meyssan, Al-Watan (Syrie) , Réseau Voltaire, 8 novembre 2016.

Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos

Email: luisavascocellos2012@gmail.com

 

Nouvelle Guerre froide

La Turquie peut-elle basculer dans le camp russe ?

 

Paix par proxys ?
« Horizons et débats », n°1, 9 janvier 2017

 

Deux mondes distincts
Journal du changement d’ordre mondial #13

 

Peut-on encore éviter la Guerre nucléaire ?
« Horizons et débats », n°23, 17 octobre 2016

 

351 Articles

L’Etat profond américain. La finance, le pétrole, et la guerre perpétuelle
par Peter Dale Scott
À commander dans la librairie du Réseau Voltaire

 

Articles sous licence creative commons

Vous pouvez reproduire librement les articles du Réseau Voltaire à condition de citer la source et de ne pas les modifier ni les utiliser à des fins commerciales (licence CC BY-NC-ND).

Source : « 12 avril 2017 : le monde bascule à nouveau dans la guerre », par Thierry Meyssan, Réseau Voltaire, 13 avril 2017, www.voltairenet.org/article195971.html