Entrevista do Ministro das Relações Exteriores Sergey Lavrov para o canal de TV BBC

Entrevista concedida em São Petersburgo, em 16 de junho de 2022

Ministério das Relações Exteriores da Federação Russa – 16 de junho de 2022 – [Traduzido a partir da transcrição oficial do MFA da Rússia pela Equipe do Saker Latinoamérica]


Pergunta: O Presidente Putin, antes de tomar a decisão e anunciar o início do que ele chama de operação militar especial, o consultou sobre se ele deveria?

Sergey Lavrov: Cada país tem um mecanismo de tomada de decisão. Nesse caso, o mecanismo existente na Federação Russa foi plenamente empregado.

Pergunta: Ele te consultou?

Sergey Lavrov: Mais uma vez, há coisas sobre as quais não falamos publicamente. Há um mecanismo para a tomada de decisões. Ele foi seguido na íntegra.

Pergunta: Estou perguntando porque você é ministro das relações exteriores há 18 anos, e invadir um Estado vizinho soberano é um assunto estrangeiro. O Presidente certamente assumiu que haveria repercussões internacionais. Pensei que ele te consultaria.

Sergey Lavrov: Você é um jornalista experiente e consciente da realidade na Rússia, ao redor da Rússia e no espaço pós-soviético. Sua pergunta procura cancelar tudo antes de 24 de fevereiro deste ano. Durante oito anos, promovemos a necessidade de implementar os acordos de Minsk, aprovados por unanimidade pelo Conselho de Segurança da ONU, com a ajuda de nossas agências de inteligência, Ministério das Relações Exteriores e Ministério da Defesa.

Durante esses oito anos, insistimos que Donetsk e Lugansk (que inicialmente, como vocês devem se lembrar, em 2014, declararam sua independência em resposta ao golpe neonazista de Kiev) deveriam assinar os acordos de Minsk, que garantiam a integridade territorial e a soberania da Ucrânia. Quando hoje o chanceler Olaf Scholz afirma que a Rússia deve ser forçada a chegar a acordos com a Ucrânia, acordos que respeitem a integridade territorial e a soberania do Estado ucraniano, tenho a sensação de que ele não é deste mundo, mas alguém do “espaço exterior”. Porque durante todos esses oito anos estávamos tentando garantir a implementação de acordos que garantissem a integridade territorial do Estado ucraniano.

Pergunta: Mas a situação mudou há quatro meses…

Sergey Lavrov: A situação não mudou. Estamos voltando ao que os acordos de Minsk foram coordenados para fazer: proteger os russos em Donbass, que foram traídos pelos franceses e alemães. Os britânicos também desempenharam um papel de liderança. Todos os nossos colegas ocidentais continuavam dizendo que não podiam fazer com que Kiev honrasse os acordos de Minsk.

Pergunta: Se o objetivo é proteger os russos em Donbass, por que mais civis foram mortos nas DPR e LPR nos quatro meses desde o início da operação militar especial do que em todo o ano passado?

Sergey Lavrov: Você também assistiu à televisão alemã ARD e ao principal canal de TV francês, que declarou recentemente que uma maternidade e um mercado haviam sido bombardeados pelo exército russo matando dezenas de civis? Eles declararam, sem qualquer hesitação, que isto havia sido feito pelo exército russo. Assim como eles afirmaram há algum tempo que uma estação ferroviária em Kramatorsk havia sido atingida pela Rússia. Embora os jornalistas ocidentais tenham provado que o míssil havia sido enviado do território controlado pelas Forças Armadas da Ucrânia.

Pergunta: No ano passado, oito civis foram mortos na LPR e na DPR, e sete no ano anterior. Embora cada morte seja uma tragédia, isso não constituiu o genocídio que as autoridades russas frequentemente invocam. Com estes números em mente, você pode dizer que invadir a Ucrânia foi uma decisão razoável?

Sergey Lavrov: Nós não invadimos a Ucrânia. Anunciamos uma operação militar especial depois de ficar sem outros meios para deixar claro ao Ocidente que ele está se envolvendo em atividades criminosas, arrastando a Ucrânia para a OTAN, codificando e votando em um regime neonazista, cujo presidente Vladimir Zelensky disse, em setembro de 2021 (você não falou aos seus telespectadores sobre isso, falou?), que, se alguém na Ucrânia se sente russo, deveria partir para a Rússia. Ele disse isso publicamente. Quando um correspondente da CNN lhe disse que o Regimento Azov estava listado como uma organização extremista e terrorista por alguns países ocidentais, os EUA e o Japão, Vladimir Zelensky encolheu os ombros e disse que eles tinham muitos batalhões e regimentos desse tipo, e que eles eram o que eram [ou seja eram nazistas mesmo e ponto final – nota do tradutor].

Pergunta: Vejamos as consequências. Já se passaram quatro meses. O resultado: milhares de civis foram mortos; mais de 14 milhões de ucranianos fugiram de suas casas; as tropas russas sofreram perdas consideráveis e uma série de sanções foi imposta à Rússia. Você ainda chama isso de decisão correta?

Sergey Lavrov: Vou lhe dizer novamente: não tínhamos outra escolha. Já explicamos isto muitas vezes, mil vezes. Hoje, o regime ucraniano está atacando civis com suas armas ocidentais exatamente como em 2014, quando os golpistas chegaram ao poder, quando o centro de Lugansk foi bombardeado por aviões e 50 pessoas foram queimadas vivas em Odessa. Alguém se lembra disso agora?

Pergunta: Se você não tivesse atacado, não haveria armas do Ocidente.

Sergey Lavrov: Nós não atacamos ninguém. Os russos foram atacados na Ucrânia. Imagino que você seja inglês. Inglês ou escocês?

Pergunta: Eu mencionei os números para você. Oito mortos no ano passado, sete…

Sergey Lavrov: Estou lhe dizendo que o regime ucraniano está bombardeando sua própria população e que vocês estão vendendo armas para que ele possa continuar fazendo isso. Agora sobre o genocídio. Você é inglês? E se a Irlanda (não a Irlanda do Norte, mas a República da Irlanda) proibisse a língua inglesa? Como se sentiriam os ingleses?

Pergunta: Eles não iriam invadir a Irlanda com certeza [sem comentários… – nota do tradutor].

Sergey Lavrov: Você não se sentiria humilhado? O idioma russo é proibido na Ucrânia. Tente falar russo em uma rua de Kiev quando jovens com um certo olhar estiverem andando por lá.

Pergunta: Por que você considera a OTAN uma ameaça? Por que as pessoas na Rússia falam frequ entemente sobre cinco ondas de expansão da OTAN?

Sergey Lavrov: Penso que a OTAN é uma ameaça porque somos amigos íntimos dos sérvios há muito tempo. Eles nos disseram sobre o que é a Aliança do Atlântico Norte. Os afegãos com os quais mantemos relações no Afeganistão (e isso inclui praticamente todos os grupos étnicos) também nos contaram sobre a aliança e como ela bombardeou as cerimônias de casamento. Só porque estes pilotos se perguntavam por que algumas pessoas haviam se reunido. Eles devem ser bombardeados, só por precaução.

Explicarei a você por que a OTAN é uma ameaça. Fale com os cidadãos do Iraque e da Líbia. Seus países foram arrasados. Depois disso, a OTAN ainda alega ser uma aliança defensiva. Dizem-nos para não nos preocuparmos, que a adesão da Ucrânia à OTAN não representaria uma ameaça para a Federação Russa. Isto é o que nos disseram. Com todo respeito por nossos colegas da Aliança do Atlântico Norte, devo dizer que a Rússia tem o direito de decidir por si mesma o que ameaça sua segurança e o que não ameaça.

Pergunta: Não havia tropas da OTAN na Europa Oriental antes da anexação da Crimeia em 2014…

Sergey Lavrov: Além disso, também não houve anexação da Crimea.

Pergunta: Como resultado da anexação da Crimeia, surgiram 4.500 soldados em 2016, e 40.000 depois de 24 de fevereiro de 2022. Este é o resultado das ações da Rússia.

Sergey Lavrov: Você é um homem inteligente. Estes são fatos. Eu citarei fatos diferentes para você. Toda sua análise é baseada em “cancelamento cultural”. Você está mudando tudo o que antecedeu o evento que você chama de invasão ou anexação. O que aconteceu na Ucrânia em 21 de fevereiro de 2014? O que nós chamamos de golpe de Estado. Como vocês o chamam?

Pergunta: Fui o primeiro a lhe perguntar. Como você chama isso?

Sergey Lavrov: Já disse que este foi um golpe de Estado que ocorreu na manhã seguinte à França, Polônia e Alemanha terem afixado suas assinaturas sob o acordo entre o então presidente e os líderes da oposição. Pela manhã, os líderes da oposição cuspiram na cara da Alemanha, França e Polônia, que engoliram tudo. Chamamos isto de um golpe de Estado. E como vocês o chamaram?

Pergunta: Os eventos de oito anos atrás lhe dão o direito de fazer o que você está fazendo?

Sergey Lavrov: Não se trata aqui do direito. Quero ouvir sua resposta honesta. Nós a chamamos de golpe de Estado. Como vocês o chamam na Grã-Bretanha?

Pergunta: Eu queria lhe perguntar sobre isto.

Sergey Lavrov: Quero entender sua lógica porque, se você quer que eu lhe dê respostas claras, você deve me explicar claramente do que está falando.

Pergunta: Eu quero entender sua lógica. Você diz que a OTAN é uma ameaça. Agora você está dizendo que existe uma OTAN excessiva nas fronteiras russas. E, no entanto, agora “há ainda mais OTAN” como resultado das ações da Rússia. A Finlândia e a Suécia estão aderindo à aliança.

Sergey Lavrov: Há muito tempo a Finlândia e a Suécia estão subordinadas aos anglo-saxões, já que a UE e a OTAN se aproximaram. A UE perdeu seu significado.

Pergunta: O fato de a Finlândia e a Suécia estarem se tornando membros da OTAN é um fracasso da diplomacia russa?

Sergey Lavrov: Suécia e Finlândia estão exercendo seu direito soberano e estão agindo de acordo com as decisões de seus governos. Eles também não estão excessivamente preocupados com a opinião pública, assim como não se preocuparam com a opinião pública em diferentes países, pois cumpriram os objetivos estabelecidos pela OTAN.

Pergunta: Isso significa que não é uma ameaça para a Rússia?

Sergey Lavrov: Veremos como isto terminará. Quando e se a Suécia e a Finlândia aderirem à OTAN, veremos o que entrará em vigor no terreno. Se as armas serão entregues lá e se novos contingentes serão destacados. Dito isto, asseguro-lhes que ninguém vai ouvir os europeus, nem a Finlândia ou a Suécia. Eles estão nos dizendo agora que não terão tropas estrangeiras ou bases militares. Enquanto isso, o Secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, afirma que os EUA pretendem aumentar sua presença militar na Europa, ainda não decidiram se ela será permanente, rotativa ou permanente-rotativa. Ele nunca disse que a UE deveria ser consultada. Ele não quer ouvir os aliados europeus. Ele apenas decidiu, e anunciou que as decisões serão tomadas em Washington.

Pergunta: A Rússia diz que a Ucrânia está lutando contra os nazistas.

Sergey Lavrov: A Ucrânia não está lutando contra os nazistas. O nazismo está florescendo na Ucrânia.

Pergunta: Ouça o que diz o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Ele falou em maio, após uma missão de monitoramento e disse que os militares russos mantiveram 360 pessoas, incluindo 74 crianças e 5 deficientes, durante 28 dias em um porão escolar na aldeia de Yagodnoye, região de Chernigov, sem banheiro e água. Dez pessoas idosas morreram. Isto é combater o nazismo?

Sergey Lavrov: Os burocratas internacionais, incluindo o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos e, para minha imensa decepção, o Secretário-Geral da ONU e muitos outros representantes da ONU, estão sendo pressionados pelo Ocidente e estão frequentemente sendo usados para amplificar notícias falsas espalhadas pelo Ocidente.

Pergunta: Então a Rússia está limpa, não está?

Sergey Lavrov: a Rússia não está limpa de forma estridente. A Rússia é o que ela é. E nós não temos vergonha de mostrar quem somos.

Posso perguntar a você para entender melhor a política de seu meio de comunicação sobre a tragédia de Bucha? Você fez alguma reportagem sobre o trabalho de enquadramento em Bucha? Você definitivamente disse que tinha sido realizada pela Rússia, certo? O jornal Guardian publicado mais tarde em Londres obteve resultados forenses preliminares que mostraram que a maioria das pessoas cujos cadáveres foram mostrados por todos os canais de TV do mundo ficaram feridas por estilhaços de artilharia.

Pergunta: Por que você pergunta? Temos pouco tempo.

Sergey Lavrov: Temos pouco tempo, mas você não quer me dizer por que você continua dizendo inverdades, para dizer de forma branda. Eu lhe fiz uma pergunta sobre como a BBC havia coberto os eventos em Bucha.

Pergunta: Eu não estava em Bucha. Estou na Rússia e é por isso que estou lhe perguntando sobre a posição da Rússia. O objetivo da operação, como foi declarado pelo Presidente Putin naquela época, é a mudança de regime, não é mesmo?

Sergey Lavrov: O objetivo da operação é proteger os direitos dos russos que foram flagrantemente ignorados não apenas pelo regime de Kiev, mas também por todo o Ocidente e pela comunidade civilizada que se recusou a implementar os Acordos de Minsk.

Se você não quisesse assegurar os direitos dos russos em Donbass através da adesão de Kiev a uma resolução do CSNU [Conselho de Segurança das Nações Unidas – nota do tradutor], nós mesmos asseguraremos os direitos dos russos. Isso é o que estamos fazendo.

Pergunta: Em 25 de fevereiro deste ano, Vladimir Putin dirigiu-se aos soldados ucranianos e os exortou a tomar o poder em suas mãos, pois seria mais fácil para a Rússia se reconciliar com eles do que com este bando de viciados em drogas e neonazistas em Kiev. Isto soa como uma chamada direta para uma rebelião militar.

Sergey Lavrov: Não, parece um apelo direto ao cumprimento de seu dever militar em vez de servir aos nazistas que estão cancelando tudo o que seu regime não gosta, incluindo a educação, cultura e mídia russa. Eles não cancelaram a BBC porque você não disse a verdade sobre o que estava acontecendo ali durante oito anos. Eu lhe fiz uma pergunta: Você ou algum de seus colegas da BBC foi a Donbass durante os oito anos em que soldados de Kiev bombardeavam civis lá?

Pergunta: Ao longo de seis anos, a BBC entrou muitas vezes em contato com a liderança nas áreas dirigidas pelos separatistas pedindo permissão para ir e ver o que estava acontecendo. A cada vez nos era recusada a entrada. Acho que se o genocídio tivesse realmente acontecido lá, eles estariam interessados em nos deixar ir e ver, mas não. Por que nos foi negada a entrada?

Sergey Lavrov: Não sei por que lhe foi negada a entrada. Nossos jornalistas trabalharam ali 24/7 e mostraram os resultados dos bombardeios dos batalhões de Kiev. O senhor deveria ter ido para o lado ucraniano da linha de contato. Eles não têm tal destruição lá.

Pergunta: Recentemente, seu Presidente elogiou Pedro, o Grande, por recuperar territórios russos primordiais e até acrescentou que “voltar e fortalecer também é a nossa sorte”. Quantos mais territórios e que territórios você vai reivindicar?

Sergey Lavrov: O Presidente Vladimir Putin disse tudo isso. Eu não tenho nada a acrescentar. Vou lhe dizer novamente: você quer esquecer tudo o que precedeu este evento. Você nega, cancela e não quer ouvir o que aconteceu antes de 24 de fevereiro deste ano, o que aconteceu antes da votação na Crimeia. Você pode não aceitar que fomos muito pacientes. Mas quando nossa paciência acabou, respondemos à rudeza e à humilhação do povo russo, como o golpe de fevereiro de 2014, quando o poder foi tomado por pessoas que cancelaram o status regional da língua russa e iam expulsar os russos da Crimeia (eles enviaram pessoas armadas para lá). O que a BBC relatou sobre isso? Nada de nada. O senhor disse que este era um processo democrático normal.

Pergunta: Você pode dizer categoricamente que a Rússia não vai lançar outra operação especial e não vai invadir territórios vizinhos?

Sergey Lavrov: Durante muito tempo, acreditamos nas palavras. Seus camaradas de luta, seus compatriotas juntamente com outros membros da Aliança do Atlântico Norte proclamaram solenemente um princípio de segurança indivisível onde ninguém tem o direito de aumentar sua segurança em detrimento da segurança de outros. Quando dissemos que as cinco expansões da OTAN prejudicam nossa segurança, fomos simplesmente ignorados. Agora o presidente da França Emmanuel Macron disse que eles devem falar com a Rússia e não devem humilhar os russos. Você sabe quem respondeu a ele? O ministro tcheco das Relações Exteriores, Jan Lipavsky. Ele disse que Macron não entendeu nada, implicando que os russos devem ser humilhados. Qual é a sua atitude em relação a isto?

Pergunta: Quero lhe perguntar sobre os britânicos que recentemente receberam uma sentença de morte…

Sergey Lavrov: Você deveria fazer uma entrevista na República Popular de Donetsk sobre isso.

Pergunta: A Rússia é o único país que reconhece a DPR?

Sergey Lavrov: Não, não é o único, vários outros países já as reconheceram.

Pergunta: Acho que a DPR tem muita influência na Rússia.

Sergey Lavrov: Somos amigos e aliados.

Pergunta: Aos olhos do Ocidente, a Rússia é responsável por essas pessoas. Você acha que a sentença de morte…

Sergey Lavrov: Eu não estou nada interessado nos “olhos do Ocidente”. Estou apenas interessado no Direito Internacional, segundo o qual os mercenários não são combatentes. Portanto, nada em seus olhos importa.

Pergunta: Eles não são mercenários, eles estavam servindo nas Forças Armadas Ucranianas.

Sergey Lavrov: Isto deve ser determinado pelo tribunal.

Pergunta: Você acha que o tribunal de lá é independente?

Sergey Lavrov: Estou confiante de que eles têm tribunais independentes lá. Você acha que seus tribunais são independentes? Após a morte de Alexander Litvinenko, seu tribunal “independente” anunciou “processo público”, ou seja, teve o caso classificado. O senhores fizeram o mesmo com os Skripals. Essa é a sua lei.

Pergunta: O governo britânico entrou em contato com você sobre o destino desses garotos?

Sergey Lavrov: Não tenho nenhuma informação sobre o contato deles conosco. Eles estão acostumados a fazer tudo publicamente. Eles começaram a dizer que estão preocupados com o destino de seus súditos. Não sei se eles nos contataram ou não. Eles deveriam entrar em contato com a DPR.

Pergunta: Como você caracterizaria agora as relações com o Reino Unido? Dizer que elas são ruins seria colocar a questão de forma branda.

Sergey Lavrov: Acho que não há mais espaço de manobra no relacionamento. Boris Johnson e Elizabeth Truss dizem publicamente que eles devem derrotar a Rússia e colocá-la de joelhos. Vamos lá, faça-o!

Pergunta: Como Moscou vê a Grã-Bretanha agora?

Sergey Lavrov: Este é um país que mais uma vez sacrifica os interesses de seu povo em prol das ambições dos políticos, que só pensam nas próximas eleições e nada mais.

Pergunta: Você critica os países, que estão fornecendo armas para Kiev. Quem é mais culpado – os países que fornecem armas a um país, que está defendendo suas terras, ou o país que o atacou?

Sergey Lavrov: Como ele está defendendo suas terras, quando bombardeia seus próprios cidadãos? Deixe-me lembrá-lo mais uma vez: Vladimir Zelensky disse, em setembro de 2021, que aqueles que pensam em russo e sentem que são russos deveriam voltar à Rússia. Por que você não fala sobre isso? Por que você ignora os acontecimentos passados? Agora, quando eles estão bombardeando suas próprias cidades, vilas, mercados, maternidades e hospitais – tudo está bem [para você]. Você me pergunta por que a Rússia está fazendo uma “guerra” – em resposta ao que estamos mostrando. Se eles não mostrarem na Grã-Bretanha as consequências dos bombardeios [ucranianos] de Donetsk, Kramatorsk e outros lugares, você certamente pode assistir aqui. Você relata alguma coisa sobre isso?

Pergunta: Você disse que está defendendo Donbass e o povo de Donbass. Eu lhe disse que desde o início da operação vinte vezes mais pessoas haviam morrido…

Sergey Lavrov: E eu lhe disse que essas pessoas estão sendo mortas por neonazistas. Eu lhe pergunto: Você mostra os resultados do bombardeio de cidades e vilarejos da AFU [Forças Armadas Ucranianas – nota do tradutor]? Ou você não os mostra em seus relatórios? Você não os mostra, correto? É por isso que você quer apertar de mim algumas palavras de pesar sobre os acontecimentos atuais para enviar um relatório para Londres e usar minhas palavras para apoiar a versão falsa dos eventos na Ucrânia, que você continua transmitindo.

Pergunta: Você está errado sobre isso.

Sergey Lavrov: Estando em Moscou, você não pode deixar de ver o que os jornalistas em Donbass estão mostrando, o que está acontecendo como resultado de ataques da artilharia [ucraniana] a cidades pacíficas e civis. Você reporta sobre isso ou não?

Pergunta: Quero lhe perguntar…

Sergey Lavrov: Isso significa que você não o faz.

Pergunta: Estou na Rússia há quase 30 anos. Tenho visitado o país. A frase que mais ouvi nas aldeias e cidades que visitei foi “se ao menos não houvesse guerra”. Entendo que seu país sofreu perdas terríveis, é por isso que não se pode acreditar que seu país tenha “desencadeado uma guerra” na Ucrânia. Não entendo por que foi necessário. Para arruinar a Ucrânia e o futuro de seu próprio país?

Sergey Lavrov: Entendi seu ponto de vista. Você não tem problemas para entender o curso político seguido por Kiev nos últimos dez anos – para cancelar qualquer coisa em russo – tem? Você acha que “se não houver guerra” significa uma possibilidade de humilhar os russos e a Rússia (como disse o ministro tcheco das relações exteriores em resposta a Emmanuel Macron que se pronunciou contra a humilhação dos russos). Por alguma razão, ninguém está falando sobre isso. Você pegou o que precisava para sua fala, para a narrativa de suas transmissões.

A frase “se ao menos não houversse guerra” está profundamente enraizada no povo russo. Mas também está enraizada no orgulho, o que chamamos de auto-respeito, que eles estão tentando tirar de todos os russos na Ucrânia, com seu apoio.

Continua…


Fonte primária: https://mid.ru/en/foreign_policy/news/1818228/
Fonte secundária: https://thesaker.is/foreign-minister-sergey-lavrovs-interview-with-the-bbc-tv-channel-st-petersburg-june-16-2022/

One Comment

  1. Claudio M said:

    Britains forgetting all their belicist/imperialist history since XVI century. Who they think they’re deceiving? Fucking hypocritics!

    20 June, 2022
    Reply

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.